13º salário: benefícios fiscais de aplicar em previdência

13º salário: benefícios fiscais de aplicar em previdência

*Post patrocinado pela Caixa Seguradora. 

As festas de fim de ano animam muita gente. E um dos maiores motivos de alegria nesse período dos preparativos é a entrada do 13º salário. Se você está empolgado com o depósito da primeira parcela da remuneração extra neste mês, que tal começar a pensar em um grande presente para você mesmo?

Não estamos falando de liquidações natalinas – que fazem seu 13º desaparecer da conta bancária sem deixar rastros. O maior presente que você pode se dar é investir na sua tranquilidade. A entrada da remuneração serve como motivação para que você tire do papel a ideia de cuidar melhor do seu futuro.

Esse é um bom momento para entender melhor, por exemplo, os benefícios fiscais de ter um plano de previdência privada. Vale destacar duas situações bem claras: uma grande vantagem da previdência privada é que o Imposto de Renda é descontado somente no momento do resgate ou do recebimento da renda. Sendo assim, durante o tempo de contribuição, os juros incidem sobre um montante maior – o que aumenta os seus rendimentos.

Além disso, quando você investe até 12% da sua renda bruta anual em um PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), o valor é abatido da base de cálculo do Imposto de Renda. Ou seja: você paga menos IR, uma vez que ele é calculado sobre uma base menor. É por isso que o PGBL é tão famoso: em função do famoso benefício fiscal. Vale lembrar que esse benefício vale apenas caso você também contribua com a previdência social e faça a declaração no modelo completo.

VGBLxPGBL

Para que se tenha uma ideia de como esse benefício funciona na prática, vale a pena comparar o que acontece com a renda anual de duas pessoas – sendo uma contribuinte do PGBL e outra que não possui nenhum plano de previdência. Considere que as duas tenham renda anual de R$ 100 mil. Para facilitar o cálculo, não vamos levar em consideração aqui as despesas básicas, como saúde e educação. Consideremos que a contribuinte do PGBL faça um aporte anual de R$ 12 mil, enquanto a outra pessoa não faz contribuição alguma. Sendo assim, no caso do PGBL, o IR vai incidir somente sobre R$ 88 mil. No segundo caso, no entanto, a mordida incide sobre os R$ 100 mil. No final, que não tem o PGBL paga R$ 27.500 de IR, e quem tem paga R$ 24.200 – uma economia de R$ 3.300.

Viu como o benefício fiscal pode ser um presentão de fim de ano? Não se deixe levar pelo impulso de gastar toda a sua remuneração com as festas natalinas. Não há presente maior do que deixar o seu futuro bem cuidado!

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Fotos: Istock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close