2016 será o ano das mulheres, segundo The Economist

2016 será o ano das mulheres, segundo The Economist

A candidatura de Hillary Clinton à presidência dos Estados Unidos com uma campanha focada na diminuição da diferença salarial entre homens e mulheres no país, a forte influência da chefe de governo da Alemanha, Angela Merkel, sobre as decisões políticas na Europa e a luta da presidente do Brasil, Dilma Rousseff, para resistir a um possível impeachment.

Em um artigo sobre as perspectivas para o ano novo que se aproxima, a revista The Economist lembrou destes e outros fatos de 2015 para mostrar como o cenário da política e da economia tem mulheres como personagens decisivas. Segundo a publicação, 2016 será o ano das mulheres.

Você também vai gostar de:
Como o mercado financeiro me ajudou a sair do armário como feminista
5 lições que minhas dívidas me ensinaram sobre empoderamento feminino
O fim da desigualdade de gêneros daria força à economia mundial, aponta estudo

Em contraponto ao fato preocupante de que os homens ainda ocupam boa parte dos cargos importantes em diversas áreas da sociedade, a recente nomeação de Merkel como “personalidade do ano” pela revista Time, acaba confirmando que está difícil ignorar o papel das mulheres no cenário atual. Esta é a primeira eleição de uma mulher para o título desde 1986, quando Corazón Aquino, ex-presidente das Filipinas, foi lembrada.

No Brasil, apesar do cenário político e econômico difícil administrado pela presidente, as mulheres viraram notícia nacional e internacionalmente, por conta da resistência e atos políticos que protagonizaram ao longo do ano.

Com Simone de Bevouir e a violência contra a mulher no Brasil sendo pautas do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e as tags #PrimeiroAssedio e #AmigoSecreto viralizando nas redes sociais, o interesse por “empoderamento feminino” aumentou um total de 354,5% nas buscas do Google com relação à 2014, de acordo com a pesquisa da Agência Ideal em parceria com o coletivo Think Olga.

Continue a ler a matéria na próxima página!

Em meio a tudo isso, a Primavera das Mulheres foi marcada por protestos em todo o país contra o projeto de lei que dificulta o atendimento à vitimas de aborto, imposto pelo inimigo declarado daquelas que apoiaram o movimento, o presidente da câmara de deputados Eduardo Cunha.

2016-ano-das-mulheresFoto de Juliana Kase / Reprodução da página Jornalistas Livres no Facebook.

Não é a toa que, de acordo com a Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República, 2015 é o ano em que a denúncias contra abuso e violência para o número 180 aumentaram 40%. Esse foi o crescimento registrado entre janeiro a outubro, em comparação ao mesmo período em 2014.

Na área da economia, as mulheres deixaram de ser um nicho do mercado para tornarem-se empreendedoras e responsáveis por ações que incentivam a independência financeira, como mostrou a pesquisa “Revolução Delas“.

Todas essas ações empoderadoras servem como uma abertura para que o feminismo possa ser mais pautado e as questões sociais e políticas das mulheres virem debates mais abertos em 2016. Então, será que ainda restam dúvidas de que 2016 será mesmo o nosso ano?

Foto: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Então clique aqui e assine a nossa newsletter!

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close