4 dúvidas comuns sobre união estável

4 dúvidas comuns sobre união estável

*ISeparei

A União Estável é um tema atual que gera muitas dúvidas ao casal. Quando se configura? Qual o regime de bens?

Atualmente muitos casais são adeptos ao “test drive”: decidem morar juntos, ter a experiência do casamento, mas sem o peso do papel passado. Muitas vezes se acomodam e assim ficam até o final. Mas quais são as implicações jurídicas dessa união?

Você também pode gostar:
No divórcio, quem fica com a guarda dos pets?
As principais dificuldades de quem enfrenta um divórcio litigioso
Já ouviu falar em seguro divórcio?

Vamos falar sobre as principais questões. No entanto, é fundamental consultar um advogado para saber qual a melhor conduta para o caso específico.

1. Como se define a União Estável?

Segundo a legislação vigente, a união estável é a relação afetiva entre duas pessoas de caráter duradouro, público e com o objetivo de constituir família. A lei também equipara a união estável ao casamento e a Constituição Federal a reconhece como uma entidade familiar, devendo facilitar sua conversão em casamento. É importante esclarecer que atualmente a relação homoafetiva também é validada desta forma.

2. Como formalizar?

Pode ser reconhecida através de escritura pública de declaração de união estável firmada no Cartório de Notas; por meio de contrato particularlevado ao registro no Cartório de Registro de Títulos e Documentos ou aindaatravés de uma Ação Declaratória de União Estável proposta em Juízo. Quaisquer das hipóteses acima podem ser feitas a qualquer tempo,inclusive com a possibilidade de constar desde o início do relacionamento.

Muito casais optam por formalizar a relação através da União Estável por ser mais rápida e menos burocrática do que o casamento civil.

uniao_estavel

Continue a ler a matéria na próxima página!

3. Qual é o Regime de Bens?

Assim como no casamento, é importante determinar o regime de bens. Caso não esteja estipulado o regime de bens,fica automaticamente estabelecidoo da comunhão parcial. Isso significa que tudo que for adquirido através do trabalhodurante a relação será partilhado em caso de divórcio ou dissolução da união. E em caso de morte, o companheiro terá direito à meação (termo jurídico que significa a metade do patrimônio).

É importante lembrar que se o casal preferir outro regime de bens, é fundamental que o façam expressamente.Caso uma das partes for maior de 70 anos, a lei impõe que o regime de bens seja o da separação total de bens (separação obrigatória de bens).

4. Direito à pensão alimentícia?

Assim como no casamento, a companheira ou o companheiro tem direito a pedir pensão alimentícia após a separação, caso não tenha condições financeiras suficientes para sobreviver. Essa pensão pode ser definida em comum acordo de forma extrajudicial, através da Mediação, ou fixada pelo Juiz em ação própria.

O casamento e a união estável têm o mesmo status e importância, são entidades familiares, com direitos e obrigações.

Ficou com alguma dúvida? Escreva para gente! iseparei@gmail.com

*A empresária Thais Mucher e a advogada Dra Eugênia Zarenczanski conversam diretamente com mulheres que estão passando pelo fim de um relacionamento. Além de dicas e reflexões que dão apoio emocional e conforto psicológico, trazem também conselhos legais para auxiliar de forma prática.

Fotos: Shutterstock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

iseparei

iseparei

Vida que segue

close