5 motivos para assistir As Sufragistas no cinema

5 motivos para assistir As Sufragistas no cinema

“Mães. Filhas. Rebeldes”.  É assim que o filme As Sufragistas (título original: The Suffragette), baseado em fatos reais, apresenta suas personagens. O filme tem direção de Sarah Gravon, roteiro de Abi Morgan e uma equipe de mulheres fortes para retratar outras mulheres que são importantes para a história.

A protagonista Maud Watts é uma das damas que vivem na Londres do início do século XX. Logo ela percebe que não é a única que está cansada de viver em função dos desejos de seu marido, patrão e outros homens.

Por meio da líder política Emmeline Pankhurst (Meryl Streep), essas mulheres aprendem que a falta de participação feminina em decisões políticas acaba contribuindo para a diminuição de seus papéis na sociedade. E elas querem mudar isso começando pela conquista do direito ao voto.

Você também vai gostar de:
2016 será o ano das mulheres, segundo The Economist
Refugiadas da Síria, mãe e filha falam sobre futuro no Brasil
Mulheres criam novo nicho no mercado de prestação de serviços

Se só esta sinopse não foi suficiente para aguçar a sua curiosidade sobre o filme, confira mais cinco motivos dos quais não dá para perder As Sufragistas no cinema.

1. Para entender a importância do feminismo

As conquistas do movimento das militantes britânicas fortaleceu mulheres e abriu portas para outras manifestações feministas ao redor do mundo. Reconhecer a participação delas nas conquistas por direitos e igualdade de gênero é o mínimo que a nova geração pode fazer, não é mesmo?

2. E saber quais caminhos ainda precisamos percorrer no presente

“Nunca se renda. Nunca desista de lutar”

Teoricamente, todas já sabemos o final do filme. No fim das contas, as mulheres conquistaram o direito de votar. A primeira vez em 1883, na Nova Zelândia.

Mas outras questões expostas no longa, como a violência doméstica, abuso sexual e condições de trabalho injustas ainda acontecem com mulheres em todo o mundo e precisam ser combatidas.

A questão do voto em si ainda não é uma luta completamente vencida. O último tapa na cara em As Sufragistas vem no nos créditos finais, quando aparece uma lista de países que deram o direito das mulheres ao voto. Alguns são datados de 2015.

Continue a ler a matéria na próxima página!

3. Pelo protagonismo feminino do filme

Já parou para pensar em como 2015 ficou marcado pelos protestos de famosas sobre as desigualdades em Hollywood? Teve o desabafo de Patricia Arquette no Oscar, o discurso emocionante de Viola Davis no Emmy e ainda a carta de Jennifer Lawrence vinculada na newsletter Lenny, de Lena Dunham.

Se indicado e vencer o Oscar, o filme As Sufragistas renderá prêmios somente para mulheres, pois elas são maioria não só no elenco, como também comandam direção, roteiro, produção e outras áreas técnicas. Assim, podemos esperar, além de discursos inspiradores, também uma possível mudança nos ares de Hollywood.

4. A importância de falar de mulheres na história

“Porque guerra é a única língua que os homens entendem”

Ainda sobre a questão da desigualdade em Hollywood, a maioria dos escritores e diretores influentes seguem o mesmo perfil: homens, brancos, cisgêneros e de meia-idade. Coincidência ou não, este é exatamente o perfil dos membros que compõe majoritariamente a academia julgadora do Oscar.

Já observou que, na premiação de 2015, os oito indicados na categoria mais importante, a de Melhor Filme têm homens como protagonistas? Quatro deles retrataram histórias reais sobre homens que foram importantes para a história.

Claro que poderíamos encontrar filmes histórias reais sobre mulheres na categoria de Melhor Atriz, o melhor exemplo é “Para Sempre Alice”, que rendeu a estatueta para Julianne Moore. Mas frequentemente as mulheres são retratadas por histórias de superação de depressão ou de outras doenças ou problemas familiares, que, é claro, rendem histórias poderosas, porém deixa os produtores limitados a mostrar somente elas.

Onde estão os filmes sobre mulheres históricas? Considerando a falta deles, As Sufragistas pode ser considerado uma avanço em mais este quesito.

5. As atuações espetaculares

É fácil criar expectativas para um show da vencedora de três Oscars, Meryl Streep. Mais ainda quando ela contracena com uma outra atriz incrível, como é o caso de Helena Bonham Carter.

Mas os críticos garantem que quem brilha e surpreende em As Sufragistas é Carey Mulligan. Você deve conhece-la de “O Grande Gatsby” e “Drive”.

Carey interpreta Maud, que foi explorada desde a infância na empresa em que trabalha e vê no feminismo uma maneira de enfrentar o chefe carrasco. Logo ela entende a necessidade de ajudar outras mulheres a fazerem o mesmo, mas sua adesão ao movimento sufragista pode fazer com que seu marido a afaste do filho, outra batalha que precisará enfrentar.

Foto: Divulgação

Gostou do nosso conteúdo? Então clique aqui e assine a nossa newsletter!

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close