A hora de aproveitar a previdência chega mais rápido do que parece

A hora de aproveitar a previdência chega mais rápido do que parece

*Post patrocinado pela Caixa Seguradora

Poupar para a aposentadoria muitas vezes pode parecer distante, mas Vasti Vidal garante: “o tempo passou muito mais rápido do que achei que passaria”. A bancária, de 51 anos, há quase um ano vem resgatando o dinheiro do plano de previdência privada que iniciou em 1998.

Lá atrás, quando decidiu começar a guardar dinheiro para o futuro, seu principal objetivo era criar uma complementação de renda, que a permitisse manter o padrão de vida quando deixasse o trabalho. No ano passado, foi informada pelo banco que já poderia fazer o resgate do plano. “O interessante é que, como o investimento fica diluído no tempo, o impacto mensal no orçamento não é grande e, no final, você sente que não foi preciso tanto sacrifício para reunir o valor”, explica.

Meses depois de começar a receber, Vasti se desligou da empresa em que trabalhava por meio de um plano de demissão voluntária. O investimento na previdência, então, passou a ser ainda mais importante para manter a sua qualidade de vida. “Faz só um mês que estou usufruindo (sem trabalhar), então sinto que ainda estou de férias”, brinca ao falar dos seus planos. A ideia, entretanto, é direcionar o recurso para os projetos futuros: despesas mensais, viagens e cursos voltados a hobbies estão nos pensamentos.

Para quem pretende dar o passo inicial e adquirir um plano de previdência, seu conselho é que a pessoa comece entendendo as suas opções, fazendo as contas e descobrindo quanto conseguirá poupar por mês.

caixa_vasti

Ao ver a proposta pela primeira vez, a bancária estudou o plano por uma semana, tirou todas as dúvidas e descobriu a quantia que encaixava no bolso e nos planos futuros. “Estabeleci um plano mensal que julgava ser factível para mim naquele momento. Com o tempo fui fazendo aportes maiores e sempre que recebia alguma renda extra, separava uma parte para essa reserva.”

Leitura complementar

Planilha dos Sonhos

Planilha dos Sonhos

Ver mais

Em paralelo, a profissional manteve uma reserva de emergências, para que não precisasse contar com aquele dinheiro para resolver situações cotidianas, como o conserto de um carro. Com essa medida, e sabendo das desvantagens de retirar o valor antes do tempo, afirma nunca ter pensado em antecipar o momento do resgate. “É preciso estar consciente de que esse é um investimento de longo prazo”, defende.

Como forma de manter a disciplina, Vasti indica também que as pessoas passem a enxergar a contribuição mensal como qualquer outro compromisso financeiro. “Eu fiz de conta que era como um carnê ou financiamento que tinha que pagar. Coloquei o valor na minha lista de contas do mês, como uma despesa fixa. Deixei de contar com aquele dinheiro. E funcionou”, finaliza.

 

Fotos: acervo pessoal

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close