A paternidade desponta como negócio

A paternidade desponta como negócio

*Luciana Cattony

Você já reparou que a figura do pai com sua criança, desacompanhado da mãe é cada vez mais comum? Numa consulta ao pediatra, embora a presença da mãe seja maioria, provavelmente você encontrará alguns pais sozinhos com suas crias; uma cena simplesmente inimaginável há poucos anos! Isso reforça a tese de que pais estão mais presentes e participativos e passaram a ser, inclusive, um nicho de negócio a ser explorado.

Márcio Schusterschitz, funcionário público, pai de Lara,7, e Alice, 3, em sua publicação no portal Real Maternidade afirma: “O pai não conhece seu filho no jogo de futebol, na apresentação do ballet, quando paga a festinha no buffet. O importante na vida do pai é o dia a dia, colocar o uniforme da escola, trocar a roupa, dar banho, alimentar, levar ao médico e tudo o mais dentro daquela infinidade de coisas que precisam ser feitas em uma casa com criança”. Segundo ele, não existe pai sem mãos sujas, sem preocupação, sem ansiedades ou com sono em dia.

A psicóloga Bruna Mello da Fonseca afirma que, embora a sinalização, busca e tratamento das dores e sofrimento dos filhos ainda sejam feitos principalmente pelas mães, a presença dos pais nos consultórios vem aumentado significativamente. “Atualmente alguns pais percebem as oscilações de humor e angústias dos filhos, dificuldades no crescimento e buscam ajuda”, ressalta. Com a participação mais ativa da figura paterna na criação dos filhos, a criança percebe que pedir ajuda não é uma característica exclusiva da mãe; importante para tirar dela aquele papel de “salvadora” e única responsável por dar conta de todos os padecimentos dos filhos. “Mesmo que incipiente, este é um movimento extremamente valioso no que diz respeito à educação e formação das crianças”, conclui.

Bruno Santiago, publicitário de 35 anos, conta que quando esperava pelo seu filho Samuel,3, buscava informações sobre os cuidados com o bebê e só encontrava conteúdos voltados para as mães, o que gerou nele um certo incômodo. Este fato o motivou a iniciar a comunidade “Pai tem que fazer tudo”, que conta com quase 80 mil fãs no Facebook. Bruno também está à frente de encontros presenciais e palestras levantando a bandeira de pais mais participativos para gerar crianças mais felizes. “Levanto essa bandeira não pensando somente nos pais, o foco é a criança e seu bem estar em família, que hoje assume as mais diversas configurações. Tudo isso deve ser levado em conta”, afirma.

pai_e_filho

Para ele, estamos vivendo uma época de transição: os homens passaram da figura paterna que somente pagava as contas para aquela que cuida e dá afeto ao filho. “Ser pai é muito mais do que pagar uma boa escola para seu filho. Pai não tem que ter vergonha de lamber a cria, beijar, demonstrar sentimentos e até chorar”, destaca. Bruno comenta que em seus eventos é bem comum ver muitos homens chorando e se emocionando. “Estamos longe de um mundo ideal, mas se ninguém tocar neste assunto e começar o movimento, não chegaremos lá nunca! Transformar o mundo é fazer o bem dentro de sua própria casa. Acredito que cada um pode fazer a sua parte”, conclui.

Fernando Dias, 36, administrador de empresas e pai da Duda, 5, e da Gabi, 2, encontrou na paternidade também uma forma de empreender. Inconformado com a falta de informação destinada aos pais e motivado pela Lei 13.257/16 – conhecida como Lei da Paternidade, que possibilita a extensão da licença paternidade de 5 para 20 dias -, Fernando criou a empresa Vou ser Pai, que oferece cursos presenciais e online voltados para os pais de primeira viagem.

Seus cursos abordam as principais mudanças que acontecem com a chegada do bebê e dá algumas dicas para os pais. Temas como: o que fazer quando a bolsa estourar; administrando as visitas de amigos e parentes; o papel do pai na formação do caráter do filho, vida sexual do casal; orçamento financeiro, entre outros, são abordados por ele. Além disso, ao término do curso, o pai de primeira viagem realizará tarefas básicas como trocar fraldas e roupas, dar banho, curar umbigo, pois além da parte teórica, o curso oferece aula prática.

A presença de pais na escola, em reuniões pedagógicas e na entrega de boletins está mais frequente. É comum vê-los em eventos relacionados aos filhos. O Amamãe, espaço de vivências maternas em Porto Alegre, abriu inscrições para um evento de integração entre o pai e seu bebê em comemoração ao Dia dos Pais. Homens foram convidados para uma atividade com seus filhos. E não é que teve até lista de espera? A professora de educação física e doula Andrea Fontoura colocou pais e filhos para dançarem juntos com o auxílio do sling. Foi um momento de muita interação, criação de vínculo e descontração. Andrea percebe que hoje em dia os pais querem estar dentro do contexto dos filhos, querem interagir mais com eles, se fazendo realmente presentes: “Está certo! Afinal, com exceção da amamentação, eles podem fazer exatamente TUDO o que a mãe faz!”, ressalta.

Dia dos Pais no espaço Amamãe – Porto Alegre

A paternidade do nosso tempo troca fralda, dança, sente os seus filhos, percebe suas angústias, busca ajuda e enche as crianças de afeto. Mesmo sendo minoria, os pais participativos mostram que a paternidade é, para eles próprios, seus filhos, mães e toda a família, um excelente negócio! E a sociedade agradece.

*Luciana Cattony é publicitária e fundadora do site Real Maternidade.  Luciana tem como objetivo facilitar a vida das mães e levar leveza e alegria para a rotina delas. Siga o Real Maternidade no Facebook e Instagram.

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Fotos: Shutterstock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Luciana Cattony

Luciana Cattony

Real Maternidade

close