A poupança voltou a ser uma boa opção de investimento?

A poupança voltou a ser uma boa opção de investimento?

Depois de muito tempo com resultados inexpressivos, em 2016, a poupança teve um ganho de 8,3%. Com a inflação oficial do País fechando o ano em 6,29%, o resultado real da aplicação foi de 1,9%, segundo dados da consultoria Economatica: o melhor desde 2009. Será que isso significa, entretanto, que a caderneta voltou a ser uma boa opção de investimento?

Leitura complementar

Investimento para iniciantes

Investimento para iniciantes

Ver mais

Uma aplicação financeira, para ser considerada pela investidora, deve, ao menos, proteger o patrimônio da desvalorização causada pela inflação – e, preferencialmente, trazer algum retorno real. Isso, entretanto, não aconteceu em 2015, quando a rentabilidade da poupança foi de 8,15%, enquanto a inflação fechou em 10,67%. Quem deixou o dinheiro investido na caderneta nesse período, portanto, perdeu poder de compra.

Agora, ficando acima da inflação novamente, já é possível voltar a pensar na poupança para conservar seu patrimônio. A coach financeira e fundadora do Finanças Femininas, Carolina Ruhman Sandler, explica, entretanto, que essa escolha deve ser considerada apenas para investimentos de curto prazo. “Pelo fato de a caderneta de poupança não cobrar imposto de renda sobre os rendimentos, ela compensa para formação de uma reserva de emergências ou investimentos de até seis meses”, explica.

Com a vantagem de permitir aplicações e resgates com rapidez, a poupança é interessante, portanto, para quem sabe que irá precisar movimentar aquele dinheiro nos próximos meses, mas não quer deixá-lo desvalorizando na conta corrente.

poupanca_2017_interna

Já falando de prazos maiores, mesmo que a liquidez para resgate seja menor ou haja cobrança de imposto de renda, outros investimentos podem trazer retornos muito mais interessantes – no caso do IR, como a tabela é regressiva, o impacto sobre o rendimento é menor no longo prazo. Se for investir por um período mais longo, portanto, é interessante considerar títulos e aplicações como CDBs e Tesouro Direto (que cobram IR) e LCIs (no qual não há cobrança de imposto, mas a carência costuma ser maior), explica Carolina.

Para se ter uma ideia dos resultados, o rendimento bruto do CDI, que serve como referência para diversos investimentos em renda fixa, foi de 14%, em 2016. Alguns títulos do Tesouro Direto também tiveram uma performance muito superior à da poupança: o Tesouro IPCA+ 2035 teve alta de 47,81%, o Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 2025 de 42,94% e Tesouro Prefixado 2021 de 38,69%.

Mesmo com a perspectiva de queda dos juros para este ano, a renda fixa deve continuar trazendo resultados interessante à investidora. Por isso, não há desculpas para não delimitar seu planos, começar a poupar e investir na aplicação que melhor se encaixe nos seus objetivos.

 

Fotos: Shutterstock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close