Alimentos e bebidas puxam inflação em julho

Alimentos e bebidas puxam inflação em julho

Como sabemos, a inflação mede o aumento geral dos preços. Ficar atento ao que subiu – e ao que baixou – é essencial para fazer as melhores escolhas financeiras e economizar.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo IBGE, chegou a 0,52% em julho, após dar uma leve trégua em junho. Com isso, o resultado acumulado no ano foi para 4,96%, menor que os 6,83% registrados no mesmo período do ano passado. Em relação aos últimos doze meses, o resultado está em 8,74%, abaixo dos 8,84% do ano passado, mas ainda bem acima do teto da meta do governo, que é 6,5%.  

Alimentação e bebidas lideram

O resultado do mês mostra que as compras de supermercado ainda devem ser a principal preocupação do consumidor. O grupo Alimentação e Bebidas encabeçou o ranking de aumento de preços, com variação de 1,32% no mês, a maior taxa desde julho de 2000.

E não tem jeito, os mesmos produtos que já têm pesado nos nossos bolsos continuam a ficar mais caros. O leite longa vida subiu 17,58% no mês, chegando a um aumento de 46% nos últimos 12 meses.

Já feijão-carioca teve alta de 32,42%, acumulando 166% no ano! Em São Paulo, o preço do quilo chegou a subir quase 44% no mês.

O  jeito é consumir o cafezinho puro e substituir o feijão por outros grãos, como lentilha e grão-de-bico, por exemplo.

inflação_julho_interna

Outra dica para economizar é prestar atenção aos produtos que ficaram mais baratos, pois essas variações também podem ajudá-la a manter as contas em dia. O preço da cebola teve queda de 28,37% e o da batata-inglesa caiu 20%, por exemplo.

Leitura complementar

Lista de Supermercado

Lista de Supermercado

Ver mais

O que ficou mais caro

Outros grupos que apresentaram aumento de preço foram Despesas Pessoais, de 0,35% em junho para 0,70%, Artigos de Residência, de 0,26% para 0,53%, e Transportes, de -0,53% para 0,40%. Nos Transportes, o resultado foi pressionado principalmente pelas passagens aéreas, que ficaram 19,22% mais caras. Isso significa que quem pretende viajar precisa começar o planejamento com uma antecedência ainda maior, tendo em vista que o aumento das passagens dificulta o encontro de promoções.

O que ficou mais barato (ou menos caro…)

Algumas categorias colocaram o pé no freio e tiveram desaceleração nos preços em julho. Os preços de Saúde e Cuidados variaram de 0,83% em junho para 0,61% em julho. Educação foi de 0,11% para 0,04% e Comunicação foi de 0,04% para 0,02%.

Os preços de Habitação tiveram queda de 0,29% em julho, influenciados principalmente pela energia elétrica, que ficou 3% mais barata no mês. Os preços de Vestuário também caíram 0,38%.

 

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close