Alimentos influenciam desaceleração da inflação em agosto

Alimentos influenciam desaceleração da inflação em agosto

Em agosto, a inflação desacelerou em relação a julho. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do IBGE, que mede a inflação oficial do País, subiu 0,44% no mês, contra 0,52% em julho. Apesar da desaceleração, a taxa é a maior para o mês desde 2007.

No ano, o índice acumulou 5,42%, abaixo dos 7,06% registados no mesmo período de 2015. Já nos últimos 12 meses, acumulou 8,97%, acima dos 8,74% relativo ao período anterior – e ainda bem acima do teto da meta, 6,5%.

Preços de Alimentação e Bebidas dão trégua
O grupo Alimentação e Bebidas, que há tempos vem puxando a inflação para cima, deu uma trégua em agosto e foi o principal responsável por essa desaceleração: de 1,32% em julho foi para 0,30% em agosto.

Os alimentos que mais contribuíram para a queda foram a batata-inglesa, com redução de 8% no preço e o feijão-carioca, que saiu de uma alta de 32,42% em julho, para queda de 5,6%. Em um ano, entretanto, o feijão ainda acumula alta de 160,25%.

Outro item que colocou o pé no freio foi o alho, que de um aumento de 3,54% em julho ficou 5,10% mais barato em agosto. Cebola apresentou queda de 18,46%, hortaliças 8,81% e cenoura 5,67%.

Entre os itens que ficaram mais caros estão o tomate, que foi de queda de 0,28% em julho para alta de 5,76% em agosto, e frutas, que foram de -3,28% para 4,94%. Feijão-fradinho ficou 11,27% mais caro, leite condensado 10,23%, leite em pó 7,40% e manteiga 4,46%.

inflaçao_agosto_interna

O que mais desacelerou

Outros grupos que apresentaram desaceleração em agosto foram Artigos de Residência, caindo de 0,53% em julho para 0,36%, Transportes, de 0,40% para 0,27% e Comunicação, de 0,02% para -0,02%.

Os Transportes foram afetados principalmente pelas passagens aéreas, que ficaram 3,85% mais baratas no mês. As exceções foram o Rio de Janeiro (7,50%), Belo Horizonte (6,15%) e Brasília (3,11%), onde os preços das passagens subiram.

O que ficou mais caro

Entre o que ficou mais caro em agosto, se destacam Educação, com alta de 0,99% nos preços, Despesas Pessoais, 0,96%, e Saúde e Cuidados Pessoais, 0,80%.

Na área da Educação, os cursos regulares subiram 0,95% e os chamados cursos diversos, como de informática e idiomas, subiram 1,14%. Já em Despesas Pessoais se destacaram as diárias de hotel, com aumento de 11,58% no mês, influenciadas principalmente pela realização da Olimpíada no Rio de Janeiro.

 

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close