Após o IR, o Tesouro Direto ainda compensa contra a poupança?

Após o IR, o Tesouro Direto ainda compensa contra a poupança?

Minha dúvida é sobre a tributação (IR) sobre investimentos no Tesouro Direto. Sempre se fala sobre o quanto mais esses títulos rendem com relação à poupança, mas não vejo ninguém lembrar que o $$ do Tesouro direto sofre uma diminuição por causa do imposto que não incide sobre o investimento em poupança. Eu fiz uma simulação para um investimento de um ano e o Tesouro Direto não parece ser tão mais rentável assim ainda mais somando o fato de que ele sofre tributação, e a poupança não. Pode me ajudar?

Priscila

Priscila, você tem toda razão: quando comparamos a rentabilidade de dois investimentos em renda fixa em apenas um ano, a diferença é mínima. O problema está em olhar o rendimento dos seus investimentos no curto prazo. Quando você tem pouco tempo para fazer o dinheiro render, geralmente a poupança é mesmo a melhor solução: não há cobrança de IR e é muito mais simples. No entanto, quando olhamos para um horizonte de tempo maior, esta diferença de desempenho entre os seus investimentos pode ficar enorme.

Veja aqui um exemplo:

Se você investir R$ 1.000 na poupança por apenas um ano, você terá ao final deste prazo R$ 1.064, livres de IR. Se aplicar este mesmo valor no Tesouro Direto Selic, terá R$ 1.094 antes de pagar impostos. Após a mordida do leão, ficará com R$ 1.077. Realmente, são apenas R$ 13 de diferença da poupança.

No entanto, se você ficar 10 anos na poupança, juntará ao longo deste tempo R$ 1.863. Por outro lado, se você tivesse aplicado Tesouro Direto, teria juntado R$ 2.473 brutos. Após a cobrança do IR, teria ficado com R$ 2.252. São R$ 389 de diferença.

Se você estiver pensando em usar este investimento para o longuíssimo prazo – digamos, 30 anos -, a diferença é chocante: na poupança, você teria R$ 6.469. No Tesouro Direto, R$ 15.137 brutos e R$ 13.016 líquidos: mais do que o dobro do que na boa e velha caderneta de poupança.

(Esta simulação não considera o impacto da inflação).

Por isso, Priscila, na hora de decidir um investimento, você precisa sempre considerar o prazo. No curto prazo, a diferença entre o Tesouro Direto é pequena. No longo prazo, ela se torna algo importante.

Na hora em que for escolher um investimento, procure sempre saber qual será a rentabilidade líquida acumulada – quanto ele vai render ao longo do tempo, após os impostos.

Boa sorte e bons investimentos!

Fotos: Shutterstock e GIPHY

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

carolinaruhman

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close