Até onde o dólar vai subir?

Até onde o dólar vai subir?

O agravamento da crise econômica tem deixado todo mundo atento ao noticiário e, dentre as preocupações, uma das mais veementes é o patamar elevado do dólar. A dúvida natural de todo mundo é: até onde a moeda vai subir? A resposta, no entanto, não traz certeza e nem consolo.

De acordo com a planejadora financeira certificada pelo IBCPF, Licelys Marques, não é possível dar uma previsão certeira em função de todos os fatores que estão contribuindo para piorar a crise. “Temos uma instabilidade política e econômica muito grande, existem vários fatores que não podem ser previstos. Essa falta de previsão traz uma volatilidade muito grande para o mercado de câmbio“, explica.

Você também pode gostar: 
Vale a pena comprar enxoval nos Estados Unidos com o dólar alto?
O dólar também sofre de TPM
Como o dólar alto afeta meu cotidiano?

Para quem tem dívida em dólar ou viagem marcada (com passagens já compradas), o conselho da especialista é ir comprando moeda aos poucos, na intenção de aproveitar os momentos de baixa da moeda.

Aproveite e acesse o nosso conversor de moedas!

Investimento

Para quem quer se proteger da alta e possui perfil de investimento de moderado a agressivo, a planejadora lembra que existem opções de fundos cambiais no mercado disponíveis para quem tem a partir de R$ 1 mil para investir. “Se você quer se proteger e tem convicção de que a moeda vai subir, existem vários investimentos atrelados ao dólar”. Na avaliação da especialista, o ideal seria manter cerca de 10% da carteira de investimentos atrelados ao dólar, aumentar demais este percentual não seria recomendável neste momento, ela acredita.

“A pessoa física (investidora) tem essa característica, quando a bolsa sobe, ela quer investir em ações. Quando o dólar está alto, quer investir em dólar. Se os juros sobem, também quer investimento atrelado aos juros. Isso é complicado porque ela sempre acaba pegando os cultos altos”, orienta.

dolar-alta

 

Continue a ler a matéria na próxima página!

Alternativas

Para diversificar os investimentos e não alocar uma quantia muito grande do capital em dólar, a especialista recomenda buscar investimentos que estejam atrelados aos juros. “O Brasil é o país com a segunda melhor remuneração em juros do mundo, atrás somente da Rússia. Hoje temos oportunidade de ter rendimento de 6% ao ano, descontando a inflação (com títulos do Tesouro Direto ou CDBs, por exemplo). Isso é ótimo para aposentadoria. Um rendimento de 3% ao ano já seria suficiente para atingir um objetivo de aposentadoria (considerando uma aplicação de longo prazo, cerca de 20 anos, por exemplo)”, avalia.

Perspectiva

A falta de previsão deixa apenas uma certeza: este não é um momento para fazer extravagâncias. “É preciso ficar mais precavida, diminuir qualquer tipo de dívida que possa ter em dólar. Tanto os produtos importados quanto os nacionais acabam subindo de preço, é hora de consumir menos e tentar poupar mais.”, recomenda.

Para finalizar, a especialista comenta uma mudança de comportamento que provavelmente também deve ter afetado seu círculo de contatos. Notou que a quantidade de fotos de amigos no exterior tem diminuido na timeline do facebook? O mar não está para peixe, afinal, US$ 30 são quase R$ 100!

Fotos: Shutterstock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close