Brasileiro empresta nome a terceiros sem saber o valor da dívida

Brasileiro empresta nome a terceiros sem saber o valor da dívida

A maior parte dos brasileiros endividados por emprestares seus nomes a terceiros desconhece o valor da compra ou empréstimos feitos por outros em seu nome. A informação faz parte de pesquisa divulgada nesta quinta-feira pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito). De acordo com a instituição 15 milhões de consumidores já estiveram ou ainda estão com o nome sujo em função de dívidas feitas por terceiros. O cartão de crédito é o mais emprestado (74%), seguido do cartão de loja (64%). Quitar uma dívida feita por outra pessoa é um processo demorado. De acordo com o SPC, 53% dos atuais inadimplentes estão nesta situação há mais de três anos.

O estudo apontou ainda que menos da metade dos entrevistados (39%) sabia ao certo o valor da dívida feita por outros em seu nome. O mais alarmante é que o valor médio das pendências chega a quase R$ 4 mil, sendo que quase 5 parcelas deixaram de ser pagas. Quando descobriram que estavam com o nome sujo, quatro em cada dez entrevistados não tomaram nenhuma providência. A relação sobe para quase seis em cada dez entre aqueles que ainda estão inadimplentes.

Você também pode gostar:
Brasileiro compromete sete vezes sua renda com dívidas atrasadas
Mais da metade dos brasileiros não sabe o que é estar endividado
6 a cada 10 brasileiros ficam endividados um ano após limparem o nome

“O consumidor que ficou inadimplente acha que a dívida não é dele, e muitas vezes adia ou renega o pagamento. Mas, ainda que ele não tenha de fato contraído a dívida, tem responsabilidade em ter emprestado o nome e a única maneira de sair dessa situação pode ser ele mesmo pagando o valor”, afirma Roque Pellizzaro, presidente da instituição.

nome-sujo

Um pouco mais da metade dos entrevistados (52%) disseram que pagaram ou pelo menos pretendem pagar parte da dívida, ainda que ela tenha sido feita por outra pessoa. O percentual sobe para 89% no caso de ex-inadimplentes. De acordo com a economista-chefe do SPC, Marcela Kawauti, o percentual é alto devido ao impacto que o endividamento e o nome sujo provocam na vida da pessoa. O grande problema é que muitas vezes é preciso tomar atitudes sacrificantes para livrar-se de uma dívida feita por terceiros. “A principal delas é ter que cortar os gastos (67%) para conseguir economizar e pagar as dívidas. Muitos consumidores também deixam de pagar suas próprias contas (37%) e utilizam parte de suas reservas financeiras (27%) a fim de limpar o nome”, destaca a economista. Segundo a pesquisa, quem emprestou o nome pagou, em média, R$ 2.168 por dívidas de terceiros.

A especialista lembra que emprestar o nome a amigos é uma atitude solidária, mas pode estragar planos a médio e longo prazo, como a compra de um imóvel ou o investimento em educação. “O consumidor, portanto, deve refletir e entender se está mesmo preparado para assumir esse compromisso, antevendo as consequências, caso o responsável pela dívida não consiga cumprir sua parte”, finaliza.

 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

karinaalves

Karina Alves

Jornalista e editora de conteúdo do Finanças Femininas. Já trabalhou em jornais impressos, online, rádio e com produção. Tem fascínio pela junção entre economia e psicologia, procura explorar cada vez mais esse universo e busca usar esse aprendizado para ajudar as pessoas a levarem uma vida financeira mais saudável! Contato pelo karina@financasfemininas.com.br

close