Brasília está alvoraçada com tantas preocupações

Brasília está alvoraçada com tantas preocupações

*Naiara Bertão

De uma coisa eu não posso reclamar: jornalista econômico se diverte. O governo Dilma foi todo cheio de divertimentos. O ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, era o mestre de toda a diversão dos meus últimos anos cobrindo assuntos duros e difíceis de entender. Vivia dizendo coisas inconsistentes e, muitas vezes, fora da realidade que literalmente “ríamos para não chorar”. Com tantos anos ao lado de Mantega, Dilma aprendeu a soltar pérolas. A clássica, com certeza, é a da meta: “Não vamos colocar uma meta. Vamos deixar em aberto. Quando a gente atingir uma meta, a gente dobra a meta”, disse a presidente em julho ao falar do programa Pronatec para jovens aprendizes.

Como se não bastasse a forte repercussão na imprensa do dito, até seu ex-aliado Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, tirou uma casquinha logo após a separação: “Vamos levar, sim, à votação o projeto de votação da reforma tributária. Nossa ideia é em setembro, mais tardar em outubro. O objetivo é concluir até o fim do ano. Como diria, primeiro a gente atinge a meta, depois a gente dobra a meta. Vamos tentar atingir a meta e depois, se possível, a gente dobra”, ironizou.

Você também pode gostar: 
Com as rejeição das contas pelo TCU, Brasil volta a 1937
Os efeitos do dólar alto na economia e o fortalecimento do PMDB com a crise política
Na economia, na política e nos relacionamentos, tudo é uma questão de expectativas

A ‘brincadeira’, porém, pode ficar no passado se o governo e Cunha acertarem uma reaproximação. Por um lado, Cunha quer apoio para evitar perder o mandato pelas denúncias de corrupção que vieram à tona e devem passar pelo Conselho de Ética do Congresso. Por outro, Dilma está preocupada com o barulho que a oposição está fazendo sobre o novo pedido de impeachment.

brasilia-crise-politica

Continue a ler a matéria na próxima página!

A semana passada foi de intensas reuniões sobre o assunto. A presidente alegou, em entrevista a uma emissora de TV, que não há acusações contra ela e que a pressão da oposição para que ela saia do poder é uma tentativa de “pedalada política”, atalho para o poder. O termo é uma clara referência ás pedaladas fiscais, práticas ilegais no orçamento público, das quais o governo Dilma é acusado e pode ser uma forte sustentação em um pedido de impeachment, se condenado.

Enquanto Dilma se reúne com seus aliados e consultores para ver o céu no meio do bombardeio político, o atual ministro da Fazenda, Joaquim Levy, reforçou a bandeira do equilíbrio fiscal através do pagamento de impostos. Sem a CPMF, disse, alguns benefícios estão ameaçados, como seguro-desemprego e abono salarial. Como bem colocou um âncora de telejornal: não há discussão sobre a necessidade de aumentar a receita, mas sim sobre a moral que o governo tem para cobrar mais impostos da população. Esta mesma população que não está conseguindo fechar as contas direito com a alta da inflação, dos juros, a queda da renda e a ameaça do desemprego.

Já nem prestamos mais atenção nas notícias sobre recorde de baixa de vendas, fechamento de lojas, empresas entrando em recuperação judicial e a falta de investimento. De tudo isso, é com o investimento que mais deveríamos nos preocupar: o Brasil ainda não sabe como usá-lo bem. É triste ver, por exemplo, notícia sobre o trem bilionário de Cuiabá, incluído no plano de mobilidade para a Copa do Mundo, que mal saiu do papel e tirou o lugar de um sistema completo de corredores de ônibus na cidade. O deputado estadual mato-grossense Romoaldo Junior (PMDB), líder do governo na Assembleia Legislativa em 2011, quando a Casa aprovou a construção a linha de VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) explicou que a construção do sistema foi aprovada pela “euforia do momento”.

Por mais que Eduardo Cunha bata na tecla de que “quem não deve não teme”, a troca troca de amigos, acusações e decisões em Brasília mostra que, após a euforia da bonança, pode vir uma ressaca bem forte.

*Naiara Bertão é jornalista formada pela ECA-USP, especializou-se em economia, negócios e finanças. Trabalha para o Guia Bolso e passou por diversos veículos  de comunicação do país, como Infomoney, Brasil Econômico e VEJA. Escreve sobre os principais acontecimentos econômicos da semana.

Fotos: Shutterstock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Naiara Beltrão

Naiara Beltrão

Em Suma

close