Como a inflação pode afetar você?

Como a inflação pode afetar você?

Apesar de o assunto parecer distante do seu universo, ele está muito mais próximo do que imagina. Sabe aquela compra no supermercado que você faz? Está diretamente ligada à inflação, só que você não sente isso de forma clara. A inflação come o seu poder de compra a cada mês – de tudo! Roupas, comida, lazer, viagens, etc. Tudo mesmo. Para você sentir o drama, saiba que a aposta da maioria dos analistas do mercado financeiro é de que a inflação vai acelerar ainda mais neste ano.

Ontem foi divulgada a taxa de inflação oficial do governo, o IPCA. O índice subiu 0,86% no mês e 6,15% nos últimos 12 meses. Este é um resultado considerado muito alto e visto como “desconfortável” pelo próprio governo. Para você entender, a meta de inflação no Brasil é de 4,5% – ou seja: estamos muito acima da meta desejada.

Sentiu a pressão agora? Vamos juntas entender e aprender a trabalhar bem com a inflação!

O que é inflação?
Segundo o nosso dicionário, a inflação é quando a média dos preços da economia sobe. Os produtos e serviços ficam mais caros e o seu dinheiro desvaloriza. É justamente por isso que você não pode de jeito nenhum deixar o seu dinheiro parado na conta – se ele rende todo mês, ele não perde valor, na comparação com a inflação. O problema acontece quando a taxa de inflação de um país começa a se acelerar demais e todo mundo começa a reagir, aumentando os preços nos restaurantes, supermercados, e assim por diante. A moeda perde rapidamente o valor e isso vira a famosa hiperinflação. Nós já passamos por isso aqui no Brasil e é exatamente o que está acontecendo na Agentina. No Brasil, só com o Plano Real que as preços conseguiram se estabilizar.

Como nos atinge?
A sensação fica clara quando vamos ao supermercado. Os preços dos produtos estão mais caros e o nosso salário continua o mesmo. Com os preços avançando, nós perdemos o poder de compra: precisamos de mais dinheiro para comprar aquilo que comprávamos no mês passado.

Neste momento, os alimentos estão sofrendo com um problema climático: as chuvas. Com isso, os valores ficam mais caros. Por exemplo: o tomate, cenoura e cebola sofreram uma alta grande, de quase metade do preço. Isso interfere diretamente no nosso bolso, reduzindo a quantidade de itens que podemos comprar com o mesmo dinheiro. Outros produtos que também subiram foram cigarro, passagem aérea, passagem de ônibus, aluguel de imóvel e o carro zero.

Para equilibrar isso, os cabeças da economia brasileira devem aumentar os juros, de acordo com a expectativa do mercado. Os juros são o principal instrumento do Banco Central para combater a inflação. Mas nós sentimos isso também na prática: quando compramos parcelado, dificilmente conferimos qual é o preço pago pelos juros. Se os juros sobem, muito provavelmente, vamos sentir isso no bolso, nos financiamentos e compras no cartão, por exemplo. Então, mais do que nunca, quando for parcelar, fique atenta aos juros. Confirme se não está pagando juros abusivos e bem altos. Assim sua vida financeira fica mais difícil ainda.

Os investimentos são afetados pela inflação?
Sim! Com a inflação mais alta, o retorno real trazido pelos seus investimentos diminui. Se você tinha uma aplicação que rendia 6% ao ano, por exemplo, na verdade, descontada a inflação, o seu rendimento fica de apenas 0,15% no ano!

Então se você tiver algum investimento, fique atenta à inflação para ver se no final do mês, você não está perdendo dinheiro. Isso além de diminuir o seu lucro em alguns investimentos, diminui o seu poder de compra. Para saber disso certinho, fique atenta à taxa de retorno. Veja se o seu investimento está rendendo mais do que a inflação para decidir se deve manter a sua estratégia ou procurar uma nova alternativa!

Ficou com alguma dúvida? Conte para a gente nos comentários!

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

carolinaruhman

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close