Como elas lucraram mais de 4 dígitos com site em 2 meses

Como elas lucraram mais de 4 dígitos com site em 2 meses

Conteúdo patrocinado

logo_sem_slogan-150x150

Quando alguém tem intenção de montar um blog e ganhar dinheiro com produção de conteúdo, uma das principais dúvidas é como converter os acessos em monetização. Para muita gente, o modelo de marketing de afiliados é pouco conhecido. Pois bem, se você é blogueira ou tem intenção de tornar-se, é hora de conhecer mais sobre esse assunto.

O marketing de afiliados consiste na partilha de receita entre quem publica o conteúdo e quem anuncia naquele domínio. A forma como essa remuneração acontece varia de acordo com o modelo adotado. O afiliado pode ganhar a cada vez que uma pessoa clica no link do anunciante, por venda ou mesmo para cada potencial cliente que se registra no site do anunciante, o que é chamado de geração de lead.

O modelo de negócio vem funcionando muito bem para as fundadoras do Cashola, plataforma que indica lojas online para compras com cupons de desconto, promoções relâmpago e dinheiro de volta (conhecido como cashback). Fundado pela jornalista paulistana Isabela Andersen Barta e a administradora sul-africana Debbie Taylor, o site existe desde 2011. Quando estudavam a ideia de montar o negócio, o marketing de afiliados ainda era pouco explorado no Brasil e Debbie já acumulava uma experiência de 15 anos com marketing de performance, devido à vivência que adquiriu na Europa.

Continue a ler a matéria na próxima página!

“Foi o momento perfeito aqui, que foi quando as primeiras redes de afiliados estavam surgindo, o mercado de compras coletivas estava desinflando, e alguns e-commerces grandes estavam aderindo ao marketing de performance. É muito importante para quem está começando escolher um mercado que conhece, e foi isso que fizemos. Não adianta eu querer abrir um negócio no México porque não conheço o mercado lá, da mesma forma que não adianta eu querer vender imóveis por exemplo quando não entendo nada do assunto. Para quem está começando é importante escolher um nicho com que tenha afinidade e que goste”, afirma Isabela.

Durante três anos, as duas trabalharam fora do Brasil, mesmo com todas as lojas parceiras no Brasil. Com o crescimento da plataforma, elas resolveram mudar-se para cá.

Para fazer o empreendimento dar certo, Isabela conta que as duas se prepararam financeiramente. Fizeram uma reserva para se manterem por seis meses e, então, deixaram seus empregos fixos  para apostarem no negócio. Inicialmente, ela produzia conteúdo e Debbie captava leads para o site. Hoje, a plataforma continua a crescer com uma pequena equipe. Além das duas, há mais uma pessoa responsável pelo conteúdo do site e das redes sociais, bem como um programador e um designer, que atuam como freelancers por demanda.

Continue a ler a matéria na próxima página!

As duas escolheram a Lomadee para atuarem com o marketing de afiliados no Brasil, por ter sido pioneira neste segmento no país. “Foi por causa da Lomadee que resolvemos montar o Cashola no Brasil, porque na época era a única rede que tinha lojas grandes conhecidas pelos consumidores, o que possibilitaria o nosso trabalho”, comenta Isabela.

Inicialmente, a maior dificuldade que ambas tiveram foi em converter o tráfego que tinham para o conteúdo do site, tendo em vista que muita gente que ainda não conhecia o modelo de cashback, se mostrava desconfiada sobre o assunto. Ainda assim, segundo ela, já foi possível gerar monetização logo nos primeiros dias. “Preferimos não divulgar números, mas posso dizer que já no segundo mês rodando as poucas campanhas que tinha na época (lá no começo de 2012) entramos nos 4 dígitos de faturamento sem investir em tráfego pago. Para quem está fazendo um blog ou site de um nicho específico, por exemplo moda ou cosméticos, a conversão de tráfego em vendas é muito maior do que um site como o Cashola, que oferece de tudo”, afirma a jornalista.

Isabela-Andersen-Debbie-TaylorIsabela Andersen e Debbie Taylor em Roma/divulgação

Com o modelo de cashback como principal produto, elas usam principalmente os links de textos e feeds de cupons e ofertas. “A Lomadee tem uma ferramenta ótima que permite gerar um link de afiliado para qualquer página dentro de um site parceiro, para divulgar produtos específicos, categorias específicas etc e qualquer venda que vier desse link será comissionada”, comenta.

Continue a ler a matéria na próxima página!

Pela experiência que já adquiriu com o próprio negócio, a jornalista acrescenta ainda que as pessoas que compram pela internet são mais criteriosas, estão sempre em busca de descontos, pesquisam e sabem encontrar boas oportunidades. Sendo assim, quem ainda não aderiu a este modelo de cashback, está perdendo uma boa fatia do mercado. Neste sentido, Isabela acredita que foi uma boa opção ter escolhido a Lomadee para a monetização do site, tendo em vista que acredita que a empresa foi a que melhor entendeu como funciona o mercado de cashback.

Além de encontrarem um meio moderno e benéfico para todas as partes – considerando que tanto elas, quanto as lojas e os consumidores ganham – as fundadoras comemoram o fato de poderem viajar com frequência, sem que isso prejudique o trabalho. Sem contar a flexibilidade que o modelo permite.

“Nós recebemos mesmo quando não estamos trabalhando, pois as vendas não param de madrugada, de fim de semana ou feriado. A flexibilidade que temos é ótima, e não teríamos isso com um emprego fixo. Por exemplo tirar algumas horas para resolver coisas pessoais numa segunda-feira a tarde e poder repor o trabalho a noite ou no fim de semana também não tem preço”, finaliza.

Fotos: Divulgação

Gostou do nosso conteúdo? Assine nossa newsletter e receba muito mais!

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

karinaalves

Karina Alves

Jornalista e editora de conteúdo do Finanças Femininas. Já trabalhou em jornais impressos, online, rádio e com produção. Tem fascínio pela junção entre economia e psicologia, procura explorar cada vez mais esse universo e busca usar esse aprendizado para ajudar as pessoas a levarem uma vida financeira mais saudável! Contato pelo karina@financasfemininas.com.br

close