Como o dólar alto afeta meu cotidiano?

Como o dólar alto afeta meu cotidiano?

As notícias sobre a alta do dólar não estão trazendo ânimo para ninguém. Como bem sabemos, a moeda valorizada não afeta somente quem tem intenção de viajar, mas os gastos no cotidiano de um modo geral. Em tempos de inflação alta e dólar valorizado, fazer as compras do mês no supermercado, renovar algumas peças no armário e consumir determinados produtos vira um verdadeiro desafio.

Com o orçamento apertado, é preciso ter criatividade para driblar os preços altos e encontrar alternativas mais viáveis para aliviar o bolso. Para entender melhor os efeitos do dólar alto em nosso cotidiano, conversamos com o economista da SCPC Boa Vista, Flávio Calife.

Antes de mais nada, é preciso lembrar que, por enquanto, não há nenhum sinal que indique que a moeda vá desvalorizar no curto prazo. O especialista reforça que o dólar é o instrumento mais complexo para traçar projeções, no entanto, o indicativo é que o cenário permaneça como está, sem a certeza de quanto tempo isso deve perdurar.

Compras

Entre os produtos que mais afetam o bolso do consumidor, o destaque é para alimentos e bebidas. Além do aumento dos impostos sobre importações, anunciado no início do ano pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, o dólar alto obviamente encarece ainda mais o preço das mercadorias importadas.

Mas o problema não para por ai. A questão é que a alta dos importados acaba incentivando o produtor nacional a acompanhar esta tendência, ou seja, o preço dos produtos nacionais também acaba subindo. “É a brecha que o produtor tem para repassar seus custos ao consumidor. É ilusão pensar que o dólar alto afeta somente produtos estrangeiros”, comenta o economista.

Sendo assim, o momento pede mais cautela no consumo de alguns produtos. É hora de rever os supérfluos, analisar quais os produtos podem ser cortados do consumo e aqueles que podem ser substituídos por opções mais baratas.

supermercado_dolar_alto

O outro lado da alta

Ainda que a perspectiva não seja agradável, um outro aspecto de nossa economia pode ser favorável a nós, consumidoras. Como a inflação já está alta (acumulada em 7,8% no período de um ano), o comércio não encontra brechas para fazer elevações mais bruscas. “Estamos vivendo um momento de recuo no consumo. Por um lado o comércio está com condições de oferecer um produto mais caro, por outro o consumidor está com o orçamento mais apertado e não está disposto a pagar muito”, analisa.

Neste cenário, se o comércio eleva demais os preços, a tendência é que os produtos permaneçam na gôndola, sem serem consumidos, ou seja, não há mais espaço para forçar demais os preços. Sendo assim, a consumidora ganha mais poder de barganha na hora das compras.

O alerta para as pesquisas de preços e os cortes naqueles itens que não são indispensáveis serve também para fora do supermercado. Calife lembra que os setores de vestuário e calçados são altamente impactados pelo dólar alto, basta ver a quantidade de produtos que consumimos vindos da Ásia, que estão diretamente sujeitos às oscilações da moeda.

Já que não dá para saber o que virá pela frente, o melhor é prevenir-se agora, não é mesmo? Então o conselho é ficar de olho nos preços todos os dias, evitar compras desnecessárias e aproveitar o poder de barganha. Afinal, não está fácil para nenhum dos lados dessa história!

 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close