Conheça os custos com documentos ao comprar um imóvel

Conheça os custos com documentos ao comprar um imóvel

Você junta dinheiro, negocia um financiamento e respira fundo: finalmente, a casa própria! Então, descobre que ainda precisará pagar mais uma série de documentos e impostos referentes à aquisição que podem pesar bastante no bolso. “Hoje, quem financia um imóvel, paga de 5,5 a 6% do valor do bem em todos esses custos acessórios”, afirma Silvio Gonçalves, vice-presidente da Rede Imobiliária Secovi-SP (Sindicato da Habitação de São Paulo). Já quem não financiou o imóvel pode gastar de 4 a 5% com estes gastos extras. Por isso, se você não se programar para desembolsar essa grana, pode cair em uma fria.

Fica apenas o aviso: estes custos não podem ser financiados. Algumas construtoras, para incentivar a compra, podem embuti-los no preço total a ser pago – embora algumas digam que elas mesmas arcam com o custo. Então, os gastos acabam indo para o financiamento do imóvel. “No entanto, em tantos anos de financiamento, isso ultrapassará os 6% que pagaria e você acabará gastando mais dinheiro do que se pagasse o valor por si mesma”, alerta Gonçalves. Por isso, se a construtora afirmar que bancará as taxas extras, certifique-se de que isso realmente não está sendo embutido no valor total do imóvel.

Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI)

Cobrado em casos de transferência de propriedades, não incide sobre o quanto você pagou no imóvel, mas, sim, no maior valor. Existem três valores: o venal, o atribuído e aquele que você desembolsa. Suponhamos que você pagou R$ 300 mil em uma casa, mas o valor venal dela é R$ 250 mil e o atribuído é R$ 320 mil. Neste caso, o imposto será cobrado sobre o valor atribuído. Cada cidade cobra um percentual, então, verifique a taxa de seu município junto à Prefeitura. Segundo Gonçalves, ela costuma girar em torno de 3% em casos de compra direta. Já em imóveis financiados pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH) ou Habitação de Interesse Social (HIS), aplica-se a taxa de 0,5% sobre o valor efetivamente financiado. Então, incide taxa de 3% sobre a fatia que não foi financiada.

documentacao-imovel-custos

Escritura

Ela representa o contrato de compra e venda e seu custo varia de acordo com a faixa de valor que imóvel se encontra e a localização – cada estado tem sua própria taxa. O 26º Tabelionato de Notas de São Paulo disponibiliza um simulador de preços que valem apenas neste estado (clique aqui e veja), mas servem para você ter uma noção. “Quem financiou a compra do imóvel não precisa lavrar a escritura, uma vez que o contrato de financiamento tem a mesma força deste documento”, pontua Gonçalves.

Registro de compra em cartório

Ao contrário da escritura, este item é obrigatório para todos os compradores. Seu custo também varia de acordo com a região e valor do imóvel. Você encontra a tabela de custos de todos os estados brasileiros no site do Instituto de Registro Imobiliário Brasileiro (clique aqui e veja). Quem está comprando um imóvel pela primeira vez tem direito a um desconto de 50% tanto no registro quanto na escritura, desde que ele seja adquirido pelo SFH com valor máximo de R$ 500 mil.

Jogo de certidões

Além de toda a papelada acima, a compradora ainda tem que cuidar deste conjunto de documentos que assegura que você não tem nenhuma pendência ou ação judicial que possa prejudicar a venda. “Ele não é obrigatório, mas é importante tê-lo, pois é a garantia de que você e o vendedor não serão passados para trás”, frisa. Segundo o vice-presidente, o preço médio para adquirir toda essa documentação é de R$ 350. Também é possível contratar um despachante para fazer o serviço – que pode ter um custo aproximado de R$ 650.

Taxa de avaliação

Item obrigatório para quem financia a compra do imóvel, serve para que a instituição que emprestou o dinheiro tenha a garantia de que o bem realmente vale o que está sendo cobrado. Por exemplo, você está adquirindo uma casa de R$ 500 mil, mas seu valor real pode ser de apenas R$ 100 mil. “Isso é feito para que a entidade saiba que é possível financiar essa quantidade”, reitera Gonçalves. Essa taxa costuma custar em torno de R$ 2.600.

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close