Contrato de Namoro: uma realidade cada vez mais presente

Contrato de Namoro: uma realidade cada vez mais presente

*Renata Malta Vilas-Bôas

Depois que a união estável foi recebida pelo nosso ordenamento jurídico, e com a maior liberdade que vivemos nos dias atuais, a linha demarcatória que separa a união estável do namoro tem-se tornado cada vez mais tênue, e como forma de solucionar isso, alguns casais buscam fazer o contrato de namoro.

Mas, o que é esse contrato de namoro ?

Podemos conceituar de forma simplificada o contrato de namoro como sendo o documento, público ou particular, onde as pessoas envolvidas, demonstram a sua intenção de manterem um namoro e não uma união estável.

Você também pode gostar:
Contra a homofobia: Os diretos do casamento gay
Casar ou morar junto?
Casamento: Os impactos na minha vida financeira e patrimonial

Essa diferença está basicamente no tempo verbal. Enquanto que o contrato de namoro significa que os namorados pretendem, quem sabe, um dia constituir uma família, no caso da união estável os conviventes já constituíram uma família.

Assim, o que fica consubstanciado nesse documento é a intenção dos namorados, se a intenção é de, talvez, constituir uma família no futuro, então estamos diante de um contrato de namoro, ao passo que se o documento reflete a intenção de demonstrar a existência de uma família, então estamos diante de uma união estável.

casal-namorados

O contrato de namoro, portanto, vem para exteriorizar a vontade do casal de qual espécie de relacionamento eles pretendem ter. Contudo, o contrato é estático, ao passo que as relações humanas podemos modificar-se com o passar do tempo. Assim, posso ter inicialmente um contrato de namoro, mas que passado alguns meses, ou anos, esse contrato não mais reflete a realidade daquele casal. Nesse caso, houve uma evolução natural nesse relacionamento saindo do namoro e tornando-se uma união estável. Dessa forma, precisa-se fazer a produção de prova no sentido de verificar quando terminou o namoro e começou a união estável.

Por outro lado, se o contrato de namoro foi feito com o objetivo de burlar a norma, e na realidade ao invés deles estarem tendo um namoro, já estão tendo uma união estável, então nesse caso, o contrato será afastado e o que irá prevalecer é as regras referente à união estável.

Diante disso, alguns juristas e a própria jurisprudência vem no sentido de que o contrato de namoro não existe ou não tem efetividade, na medida em que a constituição patrimonial diante de um namoro não gera reflexos patrimoniais. Contudo, o contrato de namoro pode ser visto como meio de prova para demonstrar a intenção dos namorados.

Assim, a proteção patrimonial que se espera com o contrato de namoro, somente irá ocorrer, se a relação afetiva não evoluir de namoro para a união estável. Portanto, deve-se deixar bem claro que a relação vivenciada é de namoro e não de união estável, não só para os envolvidos mas também para as demais pessoas com que esse casal se relaciona, desde o porteiro, passando pelos amigos, colegas de trabalho, familiares, etc.

Importante decisão do Superior Tribunal de Justiça em que ao tratar do tema namoro, apresentou uma nova versão que é o namoro qualificado, essa nova forma, está ainda mais próxima da união estável, posto que no caso concreto, o casal, inclusive, morava junto, porém, tudo o que eles faziam eram em prol de, no futuro, constituir uma família. Assim, no momento de discutir a partilha dos bens verificou-se que, apesar deles já morarem juntos, eles mantinham status de namorados e não de conviventes e essa diferença teve repercussão na questão patrimonial, de tal sorte que o apartamento adquirido pelo rapaz não foi objeto de meação com a moça em decorrência da classificação do relacionamento deles como namoro e não como união estável

Crédito das fotos: Shutterstock

 

Renata Vilas-Bôas é advogada e professora universitária, atua, especialmente, na área de Direito Civil, Família, Sucessões. Escreve sobre as principais questões jurídicas que afetam a vida das mulheres.

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Renata Vilas-Bôas

Renata Vilas-Bôas

Direito da Mulher

close