Crise econômica: a bagunça ainda pode piorar

Crise econômica: a bagunça ainda pode piorar

*Naiara Bertão

Olá, pessoal! I’m back!

Sabe aqueles filmes americanos em que adolescentes fazem uma bagunça tremenda na casa quando os pais viajam e os deixam sozinhos? Então, não sou mãe do Brasil (ainda bem!), mas na volta das minhas férias eu só encontrei vasos quebrados.

Logo na porta de entrada da casa vejo o primeiro: a inflação já bate 9% ao ano (maior desde 2003) e os juros sobem para 14,25% a.a. (maior desde 2006). O brasileiro sente o bolso diminuir rapidamente no primeiro semestre e para de consumir. Com menos pessoas nas lojas, o faturamento do varejo cai, a indústria produz menos e muitas empresas demitem funcionários.

No hall de entrada está outro: a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua do IBGE sobe para 8,1% no trimestre encerrado em maio. O Brasil fechou 111,2 mil vagas formais de emprego em junho, de acordo com o Ministério do Trabalho (Pesquisa Caged), o pior resultado para junho desde, pelo menos, 1992.

Na sala de estar não poderia ficar de fora o desempenho da própria economia. O IBC-Br, do Banco Central, uma espécie de sinalizador do PIB, já registrou queda de 2,78% nos cinco primeiros meses do ano. Apesar de a medida ser diferente do PIB oficial, os economistas já apostam em contração de 1,8% do PIB (Produto Interno Bruto) em 2015, como mostrou o último relatório Focus. E vale lembrar que ainda estamos na metade do ano.

crise-Brasil

Na cozinha, o vaso que sustentava a política fiscal não só quebrou como espalhou os cacos por toda a casa. O ajuste fiscal, com corte de despesas e aumento de receitas públicas, está em frangalhos. Com o Congresso brigando internamente quase todos os dias, aprovando medidas nada econômicas para os cofres públicos, e com os escândalos da Operação Lava Jato incendiando as discussões na cena política, a chance de fecharmos o ano dentro da meta inicial de superávit primário já entrou para a lista de desejos impossíveis da presidente Dilma Roussef. Até revisaram a meta de 1,1% para 0,15% do PIB, mas se conseguirmos fechar no 0-a-0 já estaremos no lucro.

No quarto, porém, está o maior vaso da casa. Ele ainda não ruiu, mas já começou a rachar: a agência de classificação de risco Standard &Poor’s (S&P) revisou a perspectiva da nota de crédito do Brasil para negativa. Na prática isso foi um alerta para o governo arrumar logo a confusão no Congresso e melhorar seu endividamento. Se a S&P ou outras agências (Moody’s ou Fitch) rebaixarem a nota de crédito mesmo (não apenas a perspectiva) e deixarmos de ter o selo do investment grade, aí sim ele vai quebrar e vai ferir quem estiver à vista. Sem a confiança (e o dinheiro) de investidores estrangeiros, o dólar pode subir ainda mais, a dívida ficar mais cara, a inflação acelerar e nos tornarmos mais dependentes de dinheiro de investidores de curto prazo, que não estão interessados em nossa economia, mas sim em como ganhar dinheiro.

Aguardaremos as próximas cenas dos filmes e vamos esperar que pelo menos o quarto permaneça intacto.

 

*Naiara Bertão é jornalista formada pela ECA-USP, especializou-se em economia, negócios e finanças. Trabalhou em diversos veículos  de comunicação do país, como Infomoney, Brasil Econômico e VEJA. Escreve sobre os principais acontecimentos econômicos da semana.

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Naiara Beltrão

Naiara Beltrão

Em Suma

close