Descubra a maior mentira que acreditamos sobre dinheiro

Descubra a maior mentira que acreditamos sobre dinheiro

O maior erro que cometemos com nosso dinheiro é algo que parece simples na superfície: gastamos tudo o que ganhamos – às vezes, até a mais. Muita gente vê o limite do cartão e do cheque especial como um complemento do seu salário, como a única forma de conseguir realizar todos os seus desejos.

E assim continua a reinar a maior mentira que acreditamos sobre o nosso dinheiro: posso gastar tudo o que ganho. Afinal, quem nunca ouviu a frase de que “dinheiro é feito para gastar”?

Veja bem: ele é sim, mas não todo. É preciso se preparar para imprevistos – que muitas vezes nem são tão “inesperados”. Estamos todas carecas de saber que janeiro é o mês de pagar IPTU, IPVA, matrícula da escola… Mas ainda assim, muita gente leva um susto na hora que chegam as contas.

Por isso mesmo, é essencial ter dinheiro separado para estes momentos. E não adianta vir com a frase “não tenho dinheiro sobrando!”. A verdade é o seguinte: não sobra para ninguém. Quem consegue guardar dinheiro é aquele (ou aquela) que se adianta, faz um pouco de planejamento financeiro e percebe que vai ter que guardar um pouco todo mês, como se pagasse uma nova conta mensal.

economia_dinheiro

Acha impossível? Então veja que compras você pode cortar. O refrigerante que você toma no almoço todo dia: R$ 4 a mais na conta, que somam R$ 120 no fim do mês. Se você reduzir a frequência e passar a tomar somente nos fins de semana, você passa a gastar somente R$ 32 mensais – “sobraram” aí R$ 88 todo mês. Aperte mais um pouquinho em outra conta e pronto: você já consegue guardar R$ 100 por mês.

Parece pouco? Então deixe passar um tempo em cima destes R$ 100. Em um ano, eles se tornam R$ 1.056. Em cinco, R$ 5.280. Em 30 anos, R$ 31.680 – e tudo isso sem investir. Se você deixar este dinheiro aplicado com um rendimento real (acima da inflação) isso vira R$ 1.226 em um ano, R$ 6.766 em cinco e R$ 80.214 em 30 anos. Sentiu a diferença?

O peso disso no seu bolso é enorme. Deixando de comprar refrigerante todo dia, você deixa de gastar R$ 31 mil em trinta anos – e consegue economizar R$ 80 mil neste período, com ajuda dos juros compostos. Depois de um ano, você passa a ter mil reais “sobrando” na sua conta. Mas, na verdade, não é uma sobra: é um dinheiro que você guarda para se preparar para os imprevistos. Para realizar seus sonhos.

Então faça uma pausa: o que você pode mudar no seu consumo diário, para se preparar para o futuro? Isto não é uma opção: se você continuar a gastar tudo o que ganha, vai viver à mercê da sorte (ou do azar), com os juros jogando contra você. Se, por outro lado, conseguir viver sempre com um pouco a menos do que você ganha, você transforma os juros em aliado para correr atrás dos seus sonhos. Vale a pena, eu garanto.

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Foto: Shutterstock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

carolinaruhman

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close