Em tempos de crise, bancos dificultam acesso ao crédito

Em tempos de crise, bancos dificultam acesso ao crédito

Quando a jornalista Polyana Nogueira de Mattos voltou para o Brasil em 2015, depois de dois anos morando na Europa, encontrou o país em meio a uma crise econômica. Depois de conseguir um emprego e renda fixa, ela precisava começar tudo do zero no banco, partindo da abertura de uma conta corrente. Mas, de acordo com ela, o crédito para cartão que foi oferecido não era correspondente com o que ela poderia pagar e precisaria usar para se restabelecer no país.

“O banco me deu o limite mínimo, mesmo comprovando renda ‘média-alta’. Tentei diversas vezes pedir aumento, mas não tive liberação. Minha conta era muito nova e o banco precisava acompanhar minha movimentação”, lembra Polyana.

Você também pode gostar:
Vídeo: O dia em que estourei meu cartão de crédito!
8 erros que você comete com o seu cartão de crédito
Você conhece todas as tarifas que paga no cartão de crédito?

Até aí, tudo parecia ser um procedimento normal para a jornalista. O problema veio depois, quando ela tentou comprar um carro. “Meus financiamentos foram todos negados pois, mesmo comprovando renda, minha conta bancária era muito recente”, conta.

De acordo com o professor da IBE-FGV e especialista em economia, Múcio Zacharias, todos os clientes passam por uma avaliação do banco para conseguir crédito, incluindo o acompanhamento da movimentação da conta corrente em um período de seis a oito meses. Mas, em tempos de crise, as instituições financeiras ficam mais criteriosas e é mais comum encontrar dificuldades para a obtenção de empréstimos.

“A análise que o banco faz é muito simples, é uma análise cadastral. Mas, em um momento de crise como este, o risco de inadimplência aumenta muito, por isso são adotados estes cuidados”, explica o especialista.

De acordo com um levantamento da Serasa Experian, o número de inadimplentes no Brasil chegou a 59 milhões em janeiro de 2016, o maior desde que a pesquisa foi iniciada, em 2012. Em janeiro de 2015, eram 54,1 milhões de brasileiros inadimplentes.

Continue a ler a matéria na próxima página!

Dificuldades para obtenção de acordos

Mesmo clientes de longa data podem ser barrados na avaliação dos bancos, principalmente se tiverem alguma dívida pendente. É o caso da dentista Juliana Carvalho. Apesar do histórico de pagamentos em dia, ela não consegue um acordo para quitar o primeiro excesso de compras que fez com o cartão de crédito.

“Para não deixar de pagar uma fatura do cartão de crédito, usei o cheque especial. Agora preciso de um acordo que me ajude a quitar os dois, pois a dívida ultrapassa minha renda mensal”, explica. O pedido de Juliana foi negado pelo banco em que mantém a conta e por outras instituições financeiras. “A partir do momento em que a pessoa consegue pagar suas dívidas e regularizar a situação cadastral, o banco pode negociar o empréstimo”, explica o especialista.

Sendo assim, o empréstimo ou acordo para quitar dívidas com bancos também estão mais difíceis de conseguir. Além disso, os juros creditados hoje podem ficar muito maiores do que o saldo devedor. Ou seja, a situação da tomadora do empréstimo pode ficar ainda pior.

crédito-em-tempos-de-crise

Continue a ler a matéria na próxima página!

“Ao mesmo tempo que dificultam o empréstimo, os bancos também aumentam suas tarifas. Por isso, o custo para manter uma conta corrente está aumentando sistematicamente e também os juros nas modalidades de crédito”, argumenta Zacharias. Ele deixa ainda um alerta: “Hoje, as condições de mercado para quem toma empréstimo são as piores possíveis”.

Outro aspecto apontado pelo Serasa Experian foi que o número de consumidores em busca de crédito diminuiu em janeiro deste ano. A queda foi de 0,6% frente a dezembro e de 2,6% em relação a janeiro do ano passado.

Recorrer à Justiça pode ser um caminho

Segundo o especialista, é importante criar um planejamento financeiro estratégico para liquidar estas dívidas o quanto antes, sem fazer mais parcelamentos.

Ele alerta que a fragilidade da consumidora e a potência do banco ao fazer este tipo de reajuste na cobrança são desproporcionais. Por isso, dependendo da sua situação, você tem ainda a opção de recorrer à Justiça para renegociar.

“A composição de juros está ficando tão alta que a devedora pode ficar sem saída. Nesses casos você pode ir ao juizado de pequenas causas e pedir um reajuste de contas”, orienta Zacharias.

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Assine nossa newsletter e receba muito mais!

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close