Entenda: taxa Selic cai para 12,25% ao ano

Entenda: taxa Selic cai para 12,25% ao ano

Em sua segunda reunião do ano, o Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central, reduziu a taxa Selic em 0,75 ponto percentual, de 13% ao ano para 12,25%. Esse foi o 4º corte seguido na taxa básica de juros da economia, que chegou ao menor patamar desde o início de 2015.

E o que o BC quer dizer com isso?

O corte não trouxe surpresas aos especialistas: na primeira reunião do ano, em 11 de janeiro, a Selic já havia sido reduzida em 0,75 ponto percentual, o que havia aberto a expectativa de novas quedas.

Esse momento de cortes, se relaciona, principalmente, ao cenário de desaceleração do IPCA, que mede a inflação oficial do País. A Selic é o principal mecanismo utilizado para controlar a inflação: quando ela está alta, o BC sobe a taxa, o que faz com que o crédito fique mais caro no mercado, as pessoas consumam menos e, consequentemente, a economia esfrie.

Em janeiro, entretanto, o IPCA acumulado de 12 meses ficou em 5,35% e a expectativa dos economistas consultados pelo relatório Focus é que ela feche 2017 a 4,43% (abaixo do centro da meta), o que dá espaço para novas reduções. Com os cortes na Selic, a ideia é sinalizar que a inflação está sob controle, acelerando o consumo e o investimento das empresas e fazendo com que a economia volte a girar.

Com a perspectiva de queda da inflação, a expectativa daqui para frente é que ritmo de corte permaneça constante, embora haja possibilidade de uma queda mais agressiva. Os analistas preveem que a Selic chegue a um dígito no final de 2017, o que não acontece desde 2013.

selic_fevereiro_interna

Mas atenção: ainda temos as maiores taxa de juros do mundo

Mesmo os cortes representando o início de um ciclo de queda na taxa de juros, o Brasil permanece na primeira posição do ranking mundial de juros reais, organizado pela MoneYou e Infinity Asset Management. E isso tem duas principais influências sobre a sua vida:

Leitura complementar

Plano para Quitar Dívidas

Plano para Quitar Dívidas

Ver mais

– Suas dívidas continuam com juros altos:

A Selic é a taxa básica de juros da economia, mas ela não representa os juros cobrados do consumidor pelo mercado, que são muito mais altos. A taxa de juros do rotativo do cartão de crédito, por exemplo, estava em 484,6% ao ano em dezembro, e a do cheque especial, em 328,6%, segundo dados do BC. Isso significa que, mesmo com os cortes e as mudanças no uso do rotativo, por exemplo, as suas dívidas continuarão rolando a taxas de juros enormes. Por isso, ainda é necessário muito cuidado com o crédito.

– Seus investimentos em renda fixa permanecem atraentes:

A Selic é a principal referência para remuneração dos investimentos em renda fixa. Mesmo com a sua redução, entretanto, as taxas permanecem bastante atrativas na comparação mundial. Além disso, com a inflação também em queda, o retorno real desses investimentos aumenta. Com isso, Tesouro Direto, CDBs e LCIs permanecem boas opções em comparação à poupança – que pode ser útil para reserva de emergências. Fundos de investimento também podem valer a pena, desde que a taxa de administração fique abaixo dos 2,5% ao ano, segundo simulações feitas pela Anefac.

 

Fotos: Shutterstock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close