Feminismo para quê?

Feminismo para quê?

*Carol Ruhman Sandler

Violência doméstica é sinônimo de violência contra a mulher.

Abuso sexual também.

98% das mulheres dizem já ter sofrido algum tipo de assédio.

As mulheres ganham, em média, 28% a menos do que os homens.

Elas estudam, em média, um ano e meio a mais do que eles. Ainda assim, quanto maior a escolaridade, maior a diferença salarial. Para mulheres com ensino superior completo, ela chega a 35%.

As mulheres trabalham, em média, 7,5 horas a mais do que os homens.

Somente 37% das empresas têm mulheres em cargo de gerência ou diretoria. Em cargos executivos, este percentual cai para 10%.

66% das mulheres afirmam terem sofrido preconceito no trabalho. Para homens, este assunto é inexistente.

Homem nenhum foi questionado sobre como daria conta no trabalho após ter filhos.

Nem foi julgado sobre a altura da barra da saia, a cor do cabelo, o “look do dia” e como isso tem (?) relação com o seu profissionalismo.

feminismo-para-que

E, ainda assim, ouço tantas e tantas mulheres que dizem não gostar do movimento feminista. “Elas são radicais” ou “Eu não sou contra os homens” são as frases mais frequentes. Vou a empresas e eventos e me perguntam sempre, com certa cautela, se sou feminista – como se a qualificação fosse algo antiquado e, ao mesmo tempo, radical demais.

É triste ver que feminismo ainda é visto por tanta gente como uma luta contra os homens. Não é: é a favor das mulheres.

Com todos estes dados acima, é impossível dizer que a nossa sociedade é igualitária. Ela não é. E por isso o feminismo é necessário. Ser feminista quer dizer ser a favor da igualdade dos gêneros.

Os homens não passam por estes problemas e dificuldades. O meu sonho é que as mulheres também não precisem mais enfrentar tudo isso.

O feminismo vem exatamente para isso. Você não precisa de carteirinha para se dizer feminista. Não precisa raspar o cabelo. Precisa apenas se posicionar: quando ver alguma injustiça ou encontrar uma oportunidade de melhorar alguma situação.

E o principal: não ter vergonha de dizer que é feminista. Mostrar aos outros que existem feministas de todas as cores e formas. A embalagem pouco importa: o essencial é entender que você é a favor da igualdade e ajudar os outros a enxergarem isso também. Simples assim.

*Carol Ruhman Sandler é fundadora do Finanças Femininas e feminista com orgulho

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

carolinaruhman

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close