Financiamento imobiliário: como funciona

Financiamento imobiliário: como funciona

Entre o sonho de comprar a casa própria e o prazer de concretizá-lo há o tão temido financiamento imobiliário. E não é para menos: mesmo com taxas de juros mais baixas do que a média do mercado, essa provavelmente será a maior e mais longa dívida que você fará na vida.

Antes de entrar de vez nessa empreitada, portanto, é fundamental pesquisar, fazer as contas e ter certeza de que está dando o passo certo. Confira a que ficar atenta se você realmente optar por fazer um financiamento.

O que ter em mente na hora de procurar um financiamento

Além de ter um poder enorme de complicar as suas finanças, no financiamento imobiliário há o risco de perda do imóvel em caso de atraso das parcelas. Por isso, é fundamental ter certeza de que o valor caberá no seu bolso para evitar a inadimplência. Ou seja, não vale a pena começar um financiamento se ao pagar cada parcela você ficar no limite do seu orçamento.

Além de garantir que poderá pagá-lo, é preciso também avaliar se o negócio valerá a pena. A coach financeira e fundadora do Finanças Femininas, Carolina Ruhman Sandler, orienta para a necessidade de entender o financiamento como uma combinação de fatores, que reunirá: taxa de juros, valor das parcelas e prazo de pagamento.

“Isso significa que é preciso fazer o cálculo de quanto você pagaria ao final por aquele imóvel. Pode ser que, mesmo com uma taxa de juros baixa, o prazo longo de financiamento acabe deixando o valor final muito alto.”

Com essas noções em mente, é hora de sair à procura do melhor financiamento para o seu bolso.

Escolha uma linha de crédito no financiamento bancário:

Minha Casa, Minha Vida

O Minha Casa, Minha Vida é o maior programa do Governo de incentivo à compra de imóvel. O programa apresenta taxas de juros diferenciadas e subsídios na compra, dependendo da faixa de renda na qual se enquadra a compradora.

Hoje, na faixa 1 do programa, a renda familiar máxima é de R$ 1.800 ao mês e até 90% do valor do imóvel pode ser subsidiado. Na faixa 1,5, a renda máxima é de R$ 2.600 com juros de 5% ao ano. Na faixa 2, a renda é de no máximo R$ 4 mil com juros de 7% e, na faixa 3, a maior do programa, a renda familiar deve ser de até R$ 9 mil, com taxa de juros de, no máximo, 9,16% ao ano.

O preço máximo dos imóveis é de R$ 240 mil – válido para as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal -, valor que diminui conforme o tamanho da cidade e região do País.

financiamento_imobiliario_interna

SFH

Agora, se o imóvel que você deseja comprar custa até R$ 1,5 milhão, hoje você pode comprá-lo por meio do SFH (Sistema Financeiro de Habitação), que oferece taxas mais atrativas do que outras operações imobiliárias – embora mais altas que as do Minha Casa, Minha Vida. “Também é possível a usar o dinheiro do FGTS na compra. Essa pode ser uma grande ajuda” orienta Carolina.

Acima desse valor de imóvel, as taxas de juros são negociadas caso a caso.

Escolha entre a tabela SAC e Price:

Também é preciso optar por um sistema de amortização da sua dívida. A tabela Price é aquela em que o valor da parcela permanece o mesmo durante todo o financiamento. Apesar de parecer mais fácil entendê-la, entretanto, essa nem sempre é a melhor opção em comparação à tabela SAC.

Leitura complementar

Planilha dos Sonhos

Planilha dos Sonhos

Ver mais

Isso porque na SAC você começa pagando um valor maior no começo do financiamento e ele vai sendo reduzido ao longo do tempo – até o momento em que a parcela fica menor do que a paga na Price. A grande vantagem dessa opção é que, colocando mais esforço no início, você poderá economizar no pagamento de juros e ainda reunir mais dinheiro para tentar adiantar parcelas e diminuir o prazo de pagamento.

Mas, claro, a melhor opção sempre será aquela que cabe no seu bolso. Por isso, a SAC só é uma boa opção para quem realmente consegue pagar as parcelas mais altas.

Quer saber mais?

Se você está se planejando para comprar a casa própria, um novo curso do Finanças Femininas pode ajudá-la a realizar esse sonho. Em “Como juntar dinheiro para comprar a casa própria”, além de explicar tudo o que você precisa considerar no financiamento, a Carol também fala sobre como juntar dinheiro, escolher um imóvel e fazer todas as contas para concretizar esse plano sem prejudicar as finanças.

 

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close