Fique no azul, de uma vez por todas!

Fique no azul, de uma vez por todas!

Na hora de comprar é uma delícia, né? É uma bolsa no cartão de crédito, aquele vestidinho liiindo no cheque e aquele batom lançamento do limite do cartão… Quando viu o seu extrato e o resultado disso tudo, você tomou um susto daqueles? Pois é, na hora de comprar nem vemos e tudo isso acaba passando do limite. A situação atual é que suas dívidas foram lá para as alturas e você não pode pagar. Relaxa, pra tudo tem uma saída!

A primeira atitude a tomar é assumir que está com um problema. Não adianta nada posar de gatinha, se todo dinheiro que entra sai com muita facilidade. Admita que a situação fugiu do controle e pare de comprar. Em seguida, diga para as pessoas mais próximas – familiares, namorado ou marido e amigas – qual é a sua real situação e que vai ter que mudar algumas atitudes para se livras de todas as dívidas.

Em seguida, descubra qual é o tamanho do seu problema. Para saber o quanto está encrencada, só tem um jeito: liste todas as dívidas, parcelamentos e detalhe os juros que estão cobrando por eles. Essa é a parte chocante e mais importante para você cortar o mal pela raiz. “A partir de agora você deve priorizar o pagamento das contas essenciais, evitando o corte de fornecimento de serviços indispensáveis”, ensina Reinaldo Domingos no livro “Livre-se das Dívidas. Para ficar no azul, você viverá num jogo de estratégia para sair do vermelho. Pense e encontre uma forma de salvar o seu dinheiro. Vá até ao banco ou a financiadora e tente renegociar a sua situação, seja parcelando ou pagando a vista.

Sem negociação?
Você foi ao banco, conversou com a gerente e nada. Calma. Agora não tem saída, poupe tudo que conseguir e parta para uma negociação futura. Lá na frente, quando o prazo da financiadora ou banco estiver expirando, vão procurar por você. Nessa hora tem que ser firme e negociar pra valer para liquidar a dívida de uma vez. É provável que nesse estágio eles possam dar um desconto para o pagamento. O que pouca gente sabe é que esse abono pode ser bem maior do que o valor total da dívida. Se necessário, procure ajuda especializada, como um advogado.

Outra possibilidade nesse caso é o crédito consignado, porém ele só vale para algumas pessoas. Não tem cobrança de taxas altas e juros abusivos? Ok. Só que automaticamente estará comprometendo parte do seu salário. Então, pense bem antes de contratar este tipo de crédito! Lembre-se que para ter uma situação financeira saudável, só podemos ter 30% da nossa renda comprometida. Faça os cálculos e se programe para os próximos meses.

Passe sua dívida para outro banco
Assim que ver a sua situação financeira num banco, pesquise em outros concorrentes como pode renegociar a dívida e as possibilidades de pagamento dela. “Após escolher a nova instituição financeira com a qual você irá operar e assinar os documentos necessários, o novo banco quita o seu saldo devedor junto ao banco original, transferindo o valor total da sua dívida eletronicamente para a nova instituição. […] Se você tem dívidas alongadas, pode anualmente realizar pesquisas para comparar as taxas cobradas pelas instituições e, se for vantajoso, usar a portabilidade para diminuir o volume de juros pagos, mudando de banco quantas vezes for necessário”, orienta em sua publicação.

Ou seja: se você encontrar juros menores em outra instituição, vale a pena ver se você não toma um empréstimo nela para pagar a sua dívida, que fica mais cara todo mês. Agora, na hora de fazer isso, tome cuidado: você está só se livrando dos juros altos, mas não da dívida em si. Você ainda vai ter que rebolar para pagar o principal da dívida. Para isso, programe-se e veja quanto você consegue poupar todo mês para pagar tudo. Com uma programação certinha, fica mais fácil – e mais rápido! – pagar tudo.

E o principal: se você está pagando suas dívidas, nem pense em parcelar um iPhone novo ou qualquer outra coisa do gênero no cartão. A ideia é se livrar das dívidas, e não se endividar ainda mais! Para as próximas compras, por que você não tenta poupar antes e juntar o dinheiro que precisa, para poder pagar à vista? Assim você ainda consegue um descontinho na hora de comprar…

Gostou da ideia? Que tal montar o seu plano para se livrar das dívidas? Conte pra gente como você está indo!

 

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

carolinaruhman

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close