Imposto de Renda 2017: como aproveitar ao máximo as deduções

Imposto de Renda 2017: como aproveitar ao máximo as deduções

O prazo de entrega da declaração de Imposto de Renda 2017 começa hoje e vai até o dia 28 de abril. Além de se preparar com antecedência, para diminuir o impacto do Leão sobre o seu orçamento é fundamental ficar atenta às deduções.

As chamadas despesas dedutíveis são gastos que ajudam a reduzir a base de cálculo do Imposto de Renda –  fazendo com que você pague menos imposto ou tenha direito à restituição.

Quem teve poucos gastos dedutíveis em 2016, deve optar pela declaração simplificada, que dá o direito a uma dedução de 20% do total dos rendimentos tributáveis, limitados a R$ 16.754,34. Agora, se no ano passado você teve gastos altos, por exemplo com saúde, educação e dependentes, deve optar pela declaração completa e abater tudo o que puder! Para isso, é preciso organização e conhecimento das possibilidades.

Confira alguns dos principais itens a serem abatidos do seu Imposto de Renda – informações detalhadas sobre cada caso podem ser encontradas no site da Receita Federal.

1) Dependentes

Quem tem dependentes deve inclui-los na declaração para reduzir o valor pago. O limite de dedução para despesas com dependentes é de R$ 2.275,08 para cada um.

“A Receita Federal, independentemente de comprovação documental, tem um valor pré-estabelecido para dependentes. Quando a contribuinte indica os dados daquele, o sistema já absorve o valor da dedução. O que se pode acrescer são outras despesas, como instrução e saúde, que são lançadas no sistema em outras ‘fichas’ do programa”, explica Neivaldo Gonçalves, professor de Ciências Contábeis da Faculdade Drummond.

São considerados dependentes:

– companheiro(a) com quem o contribuinte tenha filho ou viva há mais de 5 anos, ou cônjuge;

– filho(a) ou enteado(a), até 21 anos de idade, ou, em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;

– filho(a) ou enteado(a), se ainda estiverem cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, até 24 anos de idade;

– irmão(ã), neto(a) ou bisneto(a), sem sustento dos pais, de quem o contribuinte detenha a guarda judicial, até 21 anos, ou em qualquer idade, quando incapacitado física ou mentalmente para o trabalho;

– irmão(ã), neto(a) ou bisneto(a), sem sustento dos pais, com idade de 21 anos até 24 anos, se ainda estiver cursando estabelecimento de ensino superior ou escola técnica de segundo grau, desde que o contribuinte tenha detido sua guarda judicial até os 21 anos;

– pais, avós e bisavós que, em 2016, tenham recebido rendimentos, tributáveis ou não, até R$ 22.847,76;

– menor pobre até 21 anos que o contribuinte crie e eduque e de quem detenha a guarda judicial;

– pessoa absolutamente incapaz, da qual o contribuinte seja tutor ou curador.

A partir deste ano será necessária a apresentação de CPF para declaração de dependentes maiores de 12 anos. Lembrando que o filho somente pode constar como dependente na declaração daquele que detém a sua guarda judicial.

2) Pensão alimentícia

É possível deduzir todos os valores pagos em pensão alimentícia. “Sugere-se que a contribuinte tenha guardado os documentos relativos à fixação da obrigação, os dados do beneficiário e como deve ser satisfeita a obrigação. Quando a alimentante (quem paga) é funcionária com registro em carteira, normalmente o desconto é feito em folha de pagamento e essa informação vem lançada no informe de rendimento fornecido pela empresa”, explica o especialista.

É importante lembrar que quando a contribuinte não tem mais a guarda do filho, ela não pode mais declará-lo como dependente. A exceção fica por conta das separações ocorridas em 2016, já que nesses casos podem ser deduzidos tanto os valores relativos a dependente, quanto à pensão alimentícia.

imposto_de_renda_deducoes_interna

3) Educação

São dedutíveis as despesas com instrução da contribuinte e de seus dependentes relacionados na declaração. Também é possível deduzir gastos com beneficiários da pensão alimentícia, se vierem de decisão judicial, acordo homologado judicialmente ou escritura pública. O limite anual individual é de R$ 3.561,50.

“Se a despesa da contribuinte com educação for superior ao limite antes indicado, o sistema só levará em conta a importância limite. Isso, entretanto, não desobriga a contribuinte a lançar corretamente o valor. Assim, se a despesa com instrução foi de R$ 6 mil, por exemplo, essa importância deve ser lançada na declaração”, orienta Gonçalves.

São considerados gastos com instrução: ensino infantil (creches e pré-escolas), fundamental, médio, profissional (ensino técnico e o tecnológico) e superior (graduação e pós-graduação). O limite para dedução compreende apenas o pagamento de mensalidade e anuidade escolar. Despesas com uniforme, transporte e material escolar, por exemplo, não se enquadram.

4) Despesas médicas

Os gastos com saúde podem ser deduzidos integralmente quando relacionados a tratamentos próprios e de dependentes. Também incluem-se os beneficiários da pensão alimentícia, se os gastos forem em razão de decisão judicial, acordo homologado judicialmente ou por escritura pública.

Para aproveitar as deduções, é fundamental reunir todos os documentos para comprovação. “Os profissionais e estabelecimentos das áreas da saúde, há alguns anos, são obrigados a elaborar e enviar para a Receita Federal a DEMED (Declaração de serviços e atividades médicas e correlatos). Assim, se a contribuinte não possui o recibo ou nota fiscal contendo os valores pagos e fizer o lançamento, é muito provável que ficará retido na malha filha, por divergência de informação”, orienta o especialista.

Consideram-se despesas médicas ou de hospitalização, por exemplo, os pagamentos efetuados a médicos, dentistas, psicólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, hospitais, e as despesas provenientes de exames laboratoriais, serviços radiológicos, aparelhos ortopédicos, próteses ortopédicas e dentárias.

5) INSS de empregado doméstico

O empregador também pode deduzir a contribuição patronal paga em 2016 à Previdência Social. O limite neste ano é de R$ 1.093,77.

6) Contribuições à Previdência Social e Complementar

As contribuições feitas à Previdência Social, descontadas de rendimentos isentos ou recolhidas na condição de autônoma podem ser deduzidas sem limites.

Em relação à Previdência Complementar, podem ser deduzidas as contribuições realizadas por meio de plano PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre) e Fapi (Fundo de Aposentadoria Programada Individual). A dedução fica limitada a 12% da renda tributável.

7) Doações a programas incentivados

Muita gente não sabe, mas as doações realizadas a programas incentivados podem ser abatidas do Imposto de Renda. Enquadram-se contribuições relativas ao Estatuto da Criança, Fundos do idoso, Incentivo à Cultura, Audiovisual e Esporte. A dedução fica limitada ao máximo de 6% do imposto de devido. “Isso é uma forma de reduzir o imposto a pagar e ajudar aquelas atividades”, defende Gonçalves.

A plataforma DeduzIR.me tem objetivo de facilitar a busca desses programas para doação, oferecendo uma lista das instituições e orientações sobre o abatimento. Lembrando que as doações feitas em 2017 servirão para declaração do Imposto de Renda em 2018.

 

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close