Inflação tem o primeiro resultado negativo em 11 anos

Inflação tem o primeiro resultado negativo em 11 anos

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial do País, teve queda de 0,23% no mês de junho, de acordo com boletim divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse é o primeiro resultado negativo do índice desde junho de 2006 – quando havia ficado em -0,21% – e o mais baixo desde agosto de 1998 – quando atingiu -0,51%.

Em maio, o IPCA havia ficado em 0,31%. Com o resultado atual, a inflação do primeiro semestre fechou em 1,18% – muito inferior aos 4,42% registrados no mesmo período do ano passado. Em relação aos últimos 12 meses, o índice está em 3% – também inferior aos 3,60% referentes aos doze meses imediatamente inferiores. Em junho do ano passado, o IPCA havia ficado em 0,35%.

Acompanhar a evolução da inflação é uma importante ferramenta para proteger o seu bolso da variação de preços. Confira, então, os itens que ficaram mais caros e mais baratos no mês de junho.

O que ficou mais barato

Os grandes responsáveis pelo resultado negativo foram os três grupos que, juntos, concentram cerca de 60% das despesas domésticas: Alimentação e Bebidas, Habitação e Transportes.

Habitação teve a maior redução do mês: -0,77%. O resultado se deu, principalmente, pela energia elétrica, que ficou 5,52% mais barata em junho pelo uso da bandeira verde. Pelo outro lado, no mesmo grupo foram encontrados aumentos significativos nas contas de condomínio (1,14%) e água e esgoto (2,16%).

ipca_junho_interna

Já em Transportes a queda foi de 0,52%. No grupo, se destacam os combustíveis, com redução de 2,84% nos preços. O litro da gasolina ficou 2,65% mais barato e do etanol, 4,66%. Ainda nesse grupo, o preço de ônibus intermunicipais caiu 1,94% e de passagens aéreas, por outro lado, subiu 6,89%.

Leitura complementar

Lista de Supermercado

Lista de Supermercado

Ver mais

Em Alimentação e Bebidas houve queda de 0,50%, influenciada principalmente pelos alimentos de consumo em casa, que ficaram 0,93% mais baratos. A alimentação fora de casa, por outro lado, subiu 0,32%.

Entre os produtos que ficaram mais baratos no supermercado estão: tomate (-19,22%), cenoura (-9,68%), cebola (-6,77%), feijão-fradinho (-6,60%), batata-inglesa (-6,17%), frutas (-5,90%), pescado (-1,60%), frango em pedaços (-1,55%), farinha de mandioca (-1,53%) e óleo de soja (-1,32%).

Já entre os que ficam mais caros, destacam-se: feijão-carioca rajado (25,85%), limão (19,68%), peixe-salmão (8,56%), peixe-pintado (8,10%), flocos de milho (4,93%), banana-da-terra (3,78%) e abacate (2,97%).

Outro grupo que apresentou variação negativa foi o de Artigos de Residência (-0,07%).

O que ficou mais caro

Entre os grupos que apresentaram alta nos preços estão: Despesas Pessoais (0,33%), Educação (0,08%) e Comunicação (0,09%). Os grupos Vestuário (0,21%) e Saúde e Cuidados Pessoais (0,46%) também apresentaram alta, mas com desaceleração em relação a maio.

 

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close