Médica que mudou o curso da ciência dá lições de vida

Médica que mudou o curso da ciência dá lições de vida

Por Renata Moraes, da ImpulsoBeta.

O ano de 2014 foi o momento de maior reconhecimento público na vida de Denise Pedreira. Cirurgiã fetal formada na Universidade de São Paulo, Denise venceu em 2014 a categoria Ciências do Prêmio Claudia, oferecido pela publicação de mesmo nome da Editora Abril. Foi também o ano em que faz uma apresentação no principal congresso internacional da sua área e foi aplaudida pela comunidade obstétrica internacional. A trajetória de Denise rumo ao sucesso foi árdua, exigiu muita disciplina e serve de inspiração para mulheres das mais diversas áreas de atuação.

Você também pode gostar:
Empresária mostra como aproveitar crise para criar oportunidades
A publicitária que montou uma agência com R$ 3 mil
Como saí do vermelho e juntei R$ 10 mil em dois anos

Ela foi indicada ao Prêmio Claudia por seu pioneirismo capaz de salvar as vidas de muitos bebês recém-nascidos. Denise desenvolveu uma técnica totalmente nova para operar fetos diagnosticados com a mielomeningocele, uma má formação na coluna vertebral que afeta o sistema nervoso. O processo é feito ainda no útero da mãe, mas é muito menos invasivo e com melhores chances de sucesso que os procedimentos anteriores praticados em diferentes partes do mundo. Ao longo da trajetória de 14 anos de estudos e pesquisas em busca da solução para esse complexo desafio, Denise aprendeu muito mais do que técnicas médicas. Ela compartilhou algumas reflexões sobre esses aprendizados com a ImpulsoBeta:

Nem sempre as coisas fazem todo sentido à primeira vista. Não deixe que as incertezas te paralisem.

Na adolescência, Denise sofreu um pouco diante da dúvida entre prestar medicina, arquitetura e arqueologia. Hoje percebe que, ao longo de sua carreira, foi buscando maneiras de juntar os diferentes interesses: atualmente, como obstetra, investiga o estado de saúde dos bebês por uma série de exames com imagens imprecisas e precisa construir cenários mentais para entender melhor o que acontece no útero de cada grávida, podendo exercer um pouco das habilidades que a cativavam nas outras duas profissões.

Estude sempre. No futuro você verá que alguns conhecimentos se tornam grandes vantagens competitivas.

Seus pais a colocaram para estudar inglês aos 7 anos numa época em que quase ninguém falava o idioma. Isso fez toda diferença depois que se formou na faculdade e pode estudar por um período na Inglaterra.

Denise_PereiraDenise Pereira em palestra para alunas da ImpulsoBeta

Não pare diante dos desafios. Continue evoluindo ainda que lentamente e com alguns tropeços.

Ao longo dos 14 anos de pesquisa, Denise perdeu um trabalho que adorava num hospital de referência, passou por abalos emocionais como a morte de um aluno querido e uma tuberculose séria e viu sua pesquisa quase naufragar após um processo burocrático fazer documentações importantes ficarem travadas por mais de um ano em um órgão público em Brasília. Na pesquisa, a evolução era lenta mas não parava: começou operando coelhas e ovelhas antes da primeira experiência com humanos. Em alguns momentos, se questionou se estava fazendo a coisa certa na trilha que estava seguindo em sua carreira, mas a motivação em resolver um problema que a tocava profundamente continuou oferecendo a motivação necessária.

Não se deixe abalar por estereótipos que te enfraquecem.

Quando Denise começou a pesquisar uma nova maneira de operar fetos com mielomeningocele, parecia audacioso demais acreditar que viria de uma médica brasileira (mulher, latina, brasileira…) uma inovação desse porte, uma vez que o Brasil não tem muito histórico de produção científica de alto nível e que as mulheres são minoria entre os destaques da ciência internacional. Mas ela lutou contra o estigma, que muitas vezes vinha à tona em momentos de insegurança ou diante das dificuldades, e conquistou um feito que tem ainda mais impacto justamente pela superação que representa.

Se for se casar, escolha um parceiro (a) de verdade.

Denise é casada desde o segundo ano da residência médica com um colega da faculdade de medicina. Ele também é um médico de referência em sua área, a oncologia. Juntos, tiveram dois filhos e são apaixonados por viagens. Ele é seu maior fã e foi quem mais a incentivou a não abandonar seu projeto nos momentos mais difíceis.

Ter uma família que te ama e incentiva fortalece MUITO sua confiança em você mesmo.

Denise sempre achou que faria coisas grandes da vida. Sonhava desde pequena em ser internacionalmente reconhecida por algo que fizesse muito bem. Essa autoestima ela diz que vem de sua família de origem sergipana que sempre a tratou como uma garota de alto potencial e sempre a cercou de muito amor e estímulo. Uma boa lição sobre valorizar as nossas origens e uma inspiração para a maneira de criar nossos filhos!

Fotos: ImpulsoBeta

 

* Mulheres Que Inspiram é a coluna do ImpulsoBeta, onde mulheres em busca de independência e em processo de empoderamento compartilham suas histórias e trajetórias, afim de inspirar outras mulheres a alcançarem o sucesso.

Este conteúdo foi útil para você?

Impulso Beta

Impulso Beta

Mulheres que inspiram

close