Mulheres ainda vivem em negação com seu dinheiro

Mulheres ainda vivem em negação com seu dinheiro

*Carolina Ruhman Sandler

Desde que lancei o Finanças Femininas, há quase 4 anos, abracei com força a causa do empoderamento econômico feminino. Eu acredito que a educação financeira é a melhor forma para ajudar as mulheres a bancar suas escolhas. Sair de um casamento onde você não é feliz, largar o emprego para empreender, dar a entrada no seu apartamento, tudo isso depende de uma vida financeira saudável.

Quando me perguntam sobre o foco só para mulheres, cito a recomendação da OCDE (organização dos países desenvolvidos) de que iniciativas de educação financeira segmentadas são essenciais: temos barreiras históricas e culturais que nos separam de uma boa relação com nosso dinheiro e, ao mesmo tempo, somos multiplicadoras deste conhecimento. Quando uma mulher aprende a cuidar bem do seu dinheiro, ela ensina seu marido, filhos e amigos.

Nestes quatro anos, tenho visto muita coisa mudar. 2015 foi o ano da primavera das mulheres e hoje vejo discussões sobre feminismo e empoderamento feminino que não existiam em 2012 em eventos de grande porte, nas capas de revistas e nas mídias sociais. Temos muito para caminhar ainda, mas eu sou uma otimista inveterada e acredito que o melhor ainda está por vir.

No entanto, ainda vejo que o dinheiro continua sendo um tabu para várias mulheres. A relação de muitas com ele ainda é difícil, complexa e ambivalente. Não gosto de dinheiro, mas preciso dele. Quero ter muito, mas não quero ter que aprender a cuidar dele. Estou angustiada com minhas dívidas, mas não posso deixar de comprar o último lançamento de tal produto. Trabalho 16 horas por dia, mas nunca olho a fatura do cartão.

negacao_dinheiro

Vivemos em negação com nosso dinheiro: não quero ter que lidar com isso. Só que enquanto deixarmos o assunto para amanhã, enquanto não quisermos abrir a fatura do cartão, não temos como ter a tal vida financeira saudável que tanto precisamos para corrermos atrás dos nossos sonhos.

A receita para resolver os seus problemas com dinheiro é simples: começa encarando os problemas de frente. Lidar com o assunto, encarar a sua situação, aprender a falar sobre ele – e ouvir os outros (e outras). Quando você conversa sobre finanças, descobre que não é mais inadequada com relação a dinheiro do que as outras pessoas. Quando você começa a olhar as faturas e fazer um orçamento, descobre que o assunto não é um bicho papão.

Leitura complementar

Planilha de Diagnóstico Financeiro

Planilha de Diagnóstico Financeiro

Ver mais

Não que seja fácil: sair do vermelho, aprender a controlar os gastos, conseguir poupar um pouco todo mês são tarefas duras. Todas envolvem disciplina e autocontrole. No entanto, ao encarar o problema de frente, você descobre que sabe mais do que imagina e que pode lidar com tudo isso sozinha.

*Carolina Ruhman Sandler é a fundadora do site Finanças Femininas e coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva). Jornalista, tem 32 anos, é casada e mãe da Beatriz.

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

carolinaruhman

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close