O custo de ter um filho

O custo de ter um filho

*Daniel Chiavenato Mazza

Um assunto que sempre surge entre amigos, clientes e familiares é sobre “como é caro criar um filho”. Tenho o privilégio de auxiliar famílias com o planejamento financeiro e acredito que uma grande parte das dificuldades financeiras vividas pelas famílias vem da falta de educação financeira. Não aprendemos a cuidar do dinheiro na escola e, em muitos casos, falta também essa base em casa.

O custo de um filho até ele se tornar independente pode variar muito, dependendo do padrão de vida da família e de como os pais decidem educar as crianças. Mesmo dentro de uma mesma classe social, esses valores podem ser muito divergentes.

Você também pode gostar:
Quando os filhos precisam cuidar dos pais 
Dinheiro não tira férias
Faça o planejamento sucessório do seu patrimônio

Com base nos estudos realizados pela INVENT (Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing), um casal da classe A pode gastar mais de R$ 2 milhões ao custear um filho até os 23 anos de vida. Já os gastos da classe média (classe B) passam dos R$ 900 mil. Por fim, a classe C tem um custo de pouco mais de R$ 400 mil. Em cada classe foram considerados diferentes tipos de gastos, como educação, viagens, lazer e entretenimento.

Por isso, fazer um bom planejamento financeiro é muito importante. Através dele é possível minimizar o impacto no orçamento, permitindo que a família tenha mais tranquilidade para cuidar as crianças.

Separei abaixo algumas dicas que são essenciais na construção de um bom planejamento financeiro, e que com certeza poderão auxiliar você a manter uma vida financeira saudável e sustentável ao longo dos anos:

Faça um orçamento

Entender a fundo a dinâmica de recebimentos e de gastos da família, saber para onde vai o dinheiro, e poder reajustar o orçamento caso seja necessário são os primeiros passos para ajustar as contas e gastar com inteligência. Esta simples prática irá permitir melhor organização do orçamento para esta nova fase da vida.

custo_de_ter_um_filho

Continue a ler a matéria na próxima página!

Faça uma reserva para a chegada do bebê

Os gastos com enxoval, exames, quarto, decoração, carrinho, entre outros, podem variar muito de acordo com cada casal. O importante é analisar as possibilidades financeiras da família, pesquisar estes gastos com antecedência e iniciar o quanto antes uma reserva financeira.

Faça um seguro de vida

O seguro de vida irá proteger seu filho caso ocorra morte ou invalidez de um dos pais. O ideal seria fazer um seguro que cubra parte dos gastos do filho até sua formação. Caso não seja viável custear o plano ideal, faça um seguro que seja adequado ao seu momento e ajuste-o ao longo dos anos.

Faça uma reserva de emergência

Montar uma reserva para eventualidades também é muito importante. O montante deverá corresponder a cerca de 6 a 12 meses de seus gastos mensais. Este investimento deverá estar em ativos de alta liquidez, ou seja, um investimento que você possa resgatar a qualquer momento. Tesouro Selic, Fundos DI ou CDB com liquidez diária são recomendados para formação da reserva de emergência.

Continue a ler a matéria na próxima página!

Invista para garantir a formação de seu filho

Muitas famílias encontram dificuldades financeiras para formar os filhos. Facilmente uma universidade particular pode custar mais do que R$ 150 mil, o que representa uma pressão muito grande no orçamento familiar.

Se você investir R$ 495 por mês a partir do dia do nascimento de seu filho, com uma rentabilidade real (descontando IR e inflação) de 0,3% ao mês, você terá acumulado recursos suficientes para pagar por toda formação universitária.  E o melhor: você terá desembolsado cerca de R$ 106,9 mil durante os 18 anos e terá acumulado o valor de R$ 150 mil. A diferença entre o que foi investido e o que foi acumulado é o efeito dos juros compostos ao longo do tempo – ou seja, do valor final acumulado, quase um terço correspondem aos juros de seu investimento.

Planejar é essencial

As sugestões acima podem ser úteis para você enxergar melhor sua vida financeira atual, preparar para a chegada do bebê, proteger a família contra as eventualidades e acumular recursos ao longo dos anos – reduzindo a possibilidade de dificuldades financeiras futuras.

Caso seja necessário ajuda para formular seu planejamento financeiro familiar, existem profissionais qualificados que podem auxiliar nesta jornada. Com certeza isto fará uma grande diferença em sua vida, além de permitir que você aproveite esta maravilhosa fase que é ter um filho.

*Daniel Chiavenato Mazza, CFP é planejador financeiro pessoal e possui a certificação CFP® (Certified Financial Planner), concedida pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF). Email: daniel.mazza@lifefp.com.br 


As respostas refletem as opiniões do autor, e não do Finanças Femininas ou do IBCPF. O site e o IBCPF não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações. 


Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Este conteúdo foi útil para você?

IBCPF

IBCPF

Planejamento Financeiro

close