O dólar vai continuar caindo?

O dólar vai continuar caindo?

Nos dois últimos anos vimos o dólar chegar a patamares excessivamente elevados. Em janeiro deste ano, a moeda chegou a R$ 4,16, o maior valor desde o Plano Real. A divisa valorizada é ruim para quem tem intenção de viajar, tem dívidas em moeda estrangeira e até mesmo no dia a dia do cidadão comum, tendo em vista que o dólar caro também pressiona a inflação. Na semana passada, entretanto, a moeda norte-americana deu uma leve trégua e chegou a R$ 3,10, a menor cotação desde julho do ano passado.

A desvalorização se deu, principalmente, devido à entrada de recursos em moeda estrangeira no País por meio da lei de repatriação, cujo prazo termina hoje (31). Quem está planejando uma viagem internacional, conseguiu aproveitar o momento de baixa para abastecer a reserva de dólares. Mas será o preço da moeda deve continuar caindo?

Para o professor da Faculdade Fipecafi, Mário Rodriguez Amigo, o cenário no curto prazo ainda indica a queda do dólar, mas defende que outros fatores são mais importantes que a lei de repatriação para determinar essa tendência. “Esse evento não é o elemento principal de formação de preço cambial, são diversas variáveis de ordem macroeconômica e de fluxo global que influenciam esse cenário”, explica.

Entre os fatores internos, podemos destacar a entrada de recursos estrangeiros por meio dos investimentos. Enquanto as taxas de juros no País estão em um patamar bastante elevado, lá fora elas não trazem a mesma rentabilidade ao investidor. Essa característica torna o Brasil um chamariz de investimentos estrangeiros. A instabilidade econômica, por outro lado, tem efeito contrário e afasta o investidor.

Para os especialistas, algumas medidas internas têm indicado um terreno mais seguro aos investimentos, como a agenda de controle de gastos, a queda da inflação e a postura do Banco Central. “As medidas de austeridade apresentadas agradaram o investidor estrangeiro e devido a esse cenário é possível que haja nova quedas”, explica o Business Manager da GME Câmbio, Felippe Matheus. Ao mesmo tempo, a Selic, a taxa básica de juros da economia, permanece a um valor bastante atrativo: 14% ao ano.

queda_dolar_interna

“Com a sinalização de uma melhora na política econômica, aumenta a predisposição do investidor em colocar seus recursos no País. E esse movimento de entrada tem efeito sobre o câmbio”, completa Rodriguez. Para ele, se a reforma estrutural se consolidar, poderemos esperar um efeito mais duradouro de valorização do real. No entanto, como os fatores externos – principalmente as alterações políticas e econômicas nos Estados Unidos – também exercem forte influência sobre o câmbio, o cenário está sempre suscetível a mudanças.

A expectativa do Boletim Focus, do Banco Central, divulgado no dia 24 de outubro, é de que o dólar feche 2016 a R$ 3,20.

Algumas dicas para se preparar
Nesse jogo de sobe e desce, quem precisa comprar dólares fica à mercê das oscilações. Confira algumas dicas para se proteger e garantir boas compras.

– Compre aos poucos: o ponto-chave para quem precisa comprar moeda estrangeira é adquiri-la aos poucos até a data da viagem. “Dessa maneira, você pagará o preço médio pela moeda, não correndo o risco de adquirir o montante na pior taxa do período”, explica Alexandre Fialho, diretor da distribuidora de câmbio turismo Cotação. Se a tendência for de alta da moeda, o ideal é comprar mais no presente e deixar menos para depois. Já se a expectativa for de desvalorização do dólar, é possível deixar um valor maior para ser adquirido no futuro, explica Rodriguez.

– Peça ajuda às ferramentas: por ser um produto com uma boa dose de imprevisibilidade, é importante ficar sempre atenta às cotações. Há diversas ferramentas que ajudam a consumidora a verificar a variação das taxas de câmbio, como as da UOL Economia, Investing.com e ADVFN Brasil. Além disso, há outras que comparam o valor ofertado por diversas casas de câmbio. O BC disponibiliza uma ferramenta que fornece o valor efetivo total (VET) médio cobrado por elas no último mês. O Melhor Câmbio e a Exchange Money são opções que oferecem essa cotação em tempo real.

– Cartão de crédito x pré-pago x dinheiro: tanto no cartão de crédito quanto no pré-pago, há cobrança de 6,38% de IOF na compra de moeda estrangeira. A vantagem do pré-pago, entretanto, é que a cotação do dólar é fechada no ato da compra e não no fechamento da fatura, como ocorre no cartão de crédito. “Com isso você evita os riscos da variação cambial e não se preocupa com a oscilação durante sua viagem”, explica Fialho. Já o papel-moeda, apesar de ser a opção mais barata, não traz a mesma segurança à viajante – que pode bloquear os cartões em caso de furto.

 

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close