O que você precisa perguntar antes de sair investindo

O que você precisa perguntar antes de sair investindo

Sobrou uma grana e, finalmente, você quer investir. Ótimo, o grande passo para fazer seu dinheiro render já foi. Passe agora a se preocupar em qual investimento vai confiar. Sabemos que há diversas opções, por isso, precisa traçar o que busca naquela ação. Quer ganho a curto, a médio ou a longo prazo? Defina tudo direitinho e busque mais informações no investimento escolhido. Por mais que não entenda nada e pareça difícil, não desanime! Saiba quais são os principais cuidados para tomar nessa hora decisição:

1º: Pesquise o máximo que puder, esse é o segredo do negócio. Sabendo tudo e como funcionam, o ganho no investimento é garantido. Claro que existem uma infinidade deles, basta saber qual se encaixa no seu perfil. Agora você precisa definir qual será a administradora da sua ação. Escolha uma instituição que seja segura, confiável e, principalmente, ética. Busque opiniões e referências de pessoas e outras instituições. Fique atenta, porque ficará a cargo deles todo o seu rendimento.

2º: Faça um balanço com todos os riscos daquela aplicação. Investimentos seguros rendem menos, mas são mais seguros, como o próprio nome diz. Investimentos de risco podem trazer um retorno bem maior, mas você está disposta a correr este risco? Então você precisa saber quanto risco quer assumir e quanto pode lucrar com aquela aplicação. Lembre-se que nenhum investimento é 100% seguro, mas vale agarrar aquele que está longe de te trazer problemas e prejuízos, se você busca manter o seu patrimônio. Preste atenção em tudo que te oferecerem e fique com o pé atrás naquelas que te darão dinheiro fácil e rápido.

Conhece aquele ditado: “Às vezes o barato sai caro”? Então, nem sempre o que for mais barato vai te trazer o retorno que procura. Para saber se uma aplicação vale a pena ou mesmo se ela é barata ou não, você precisa entender alguns aspectos da aplicação, como a questão do risco e dos custos envolvidos.

Quando vendemos fiado, assumimos o risco de vender confiando na boa fé do consumidor. A mesma coisa acontece nos investimentos, só que ao contrário (literalmente). É possível prever essa perda, por isso precisa ter certeza que a empresa que responde pelos títulos ou ações que você comprou vai performar bem e vai honrar os compromissos dela – com você! Esse tipo de risco é chamado risco de crédito, quando há a possibilidade de a pessoa não pagar o que foi acordado anteriormente.

A economia é como se fosse um mar aberto, na teoria sabemos quais são as correntes, mas nem sempre conseguimos prever como estará o tempo naquele período. O principal dos problemas de investimento é o risco de mercado, podendo supervalorizar e fazer cair o preço de uma ação em segundos. Por essa razão os preços variam com facilidade.

3º: Calcule qual é a taxa embutida naquele investimento. Todo contrato tem aquelas letras pequenininhas que podem fazer você desistir e perder tudo. A mesma coisa acontece com os investimentos. As taxas embutidas nas aplicações podem prejudicar o seu lucro!

Numa aplicação, o normal a pagar numa taxa de administração é de em torno de 1,5%, dependendo do tipo de aplicação. Por isso, pesquise bem quanto outras instituições cobram antes de escolher a sua! Por exemplo, cobrar 3% geralmente é uma cilada! Fique atenta! Como se não bastasse, ainda tem outras, como a de corretagem (pelos serviços da corretora), emolumentos (pelo serviço da bolsa), custódia (manutenção do investimento). Calma ainda não acabou… Se preocupe também se aquela aplicação será cobrado Imposto de Renda e IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Depois disso já sabe, né? Pra fazer um bom negócio, calcule qual será a custo total do investimento, entre taxas e impostos. Só escolha aquele que for te render um lucro maior lucro do que o custo total dele, pra não sair perdendo.

4º: Durante o processo de escolha um investimento você vai ler tudo, inclusive os prós e os contras daquilo. Quando ver que uma rendeu bastante no passado, não significa que este quadro vai ficar pra sempre, ok? Isso é variável, por isso você precisa ficar atenta as mudanças no cenário econômico e viabilizar o que é melhor para você. Os gestores de fundos gostam de mostrar as taxas de rentabilidade deles, mas um rendimento passado não é garantia pro futuro!

Entendeu tudo? Ficou alguma dúvida? Conte nos comentários!

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

carolinaruhman

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close