Os efeitos do dólar alto na economia e o fortalecimento do PMDB com a crise política

Os efeitos do dólar alto na economia e o fortalecimento do PMDB com a crise política

*Naiara Bertão

Olá, pessoal. Tudo bem?

Na semana passada uma notícia chamou muito minha atenção: famílias que antes viajavam todos os anos para a Disney agora estão preferindo o Beto Carreiro World, em Santa Catarina. Como tudo na vida, há quem ganhe e quem perde e, com o dólar acima de R$ 4, quem sai perdendo é o Mickey. Os gastos de turistas brasileiros no exterior já caíram 25% este ano, o que mostra que o Réveillon deve ser regado a muita caipirinha e sol de 40 graus.

Com a valorização do dólar também fica mais caro comprar o novo iPhone 6s Plus, maquiagem da MAC, sapato Christian Louboutin e bolsas Prada. Mas, o mais interessante é que não é preciso ser ‘supermoderninho’ para sentir os reflexos do que está por trás do dólar a R$ 4. A oscilação do câmbio hoje está ligada à falta de confiança na capacidade do governo de arrumar a casa, pagar as dívidas em dia e controlar a crise política emergente.

Fim do mês no vermelho –Grande parte dessa desconfiança vem do problema fiscal. Por mais que a equipe econômica se esforce para fechar as contas no azul, o vermelho volta. No acumulado de janeiro a agosto a conta ainda está negativa, em R$ 1,1 bilhão. Desde o início da pesquisa do Banco Central, há 19 anos, a soma dos oito primeiros meses não ficava no vermelho.

Continue a ler a matéria na próxima página!

E na luta para fechar a torneira de gastos e aumentar as receitas, quem perde somos nós. Nos últimos meses foram anunciados reajustes do gás de cozinha, da gasolina, do diesel, da eletricidade e até de bebidas alcoólicas.  Agora está em discussão o aumento de impostos. Sobra pouco (ou quase nada) para o lazer e as comprinhas não programadas. A boa notícia é que as grandes cidades estão com mais programas gratuitos na agenda. A má é que o transporte público também aumentou.

Até para pedir o seguro desemprego está mais trabalhoso. A área social já sofreu um corte de R$ 25 bilhões no orçamento. Creches, cursos técnicos (como o Pronatec) e o PAC serão os mais afetados.

crise-financeira-despesas

Dança das cadeiras –O Congresso já apreciou 26 dos 32 vetos presidenciais enviados por Dilma, mas ‘bombas’ ficaram de lado, por enquanto. Duas questões importantes são o reajuste dos servidores do Judiciário em 78% e a extensão do aumento do salário mínimo a aposentados da Previdência Social – justamente no momento que a ordem é cortar.

Continue a ler a matéria na próxima página!

Também está pendente o veto a doações de empresas privadas a campanhas eleitorais. Isso sim vai dar o que falar nessa semana. A notícia que corre na capital federal é que Dilma está negociando com o PMDB poderes nunca antes dados e isso tem deixado muito gente preocupada. Cadeiras já começaram a rodar. Aloizio Mercadante saiu da Casa Civil e foi para o Ministério da Educação. O ex da pasta foi – Renato Janine – foi demitido.

Dilma precisará testará todo o seu networking e poder de convencimento nesta semana, com a reforma administrativa em mãos. Em momentos de poucos amigos, qualquer apoio é bem-vindo. O contrário também é válido. Dilma perdeu mais um aliado na semana passada. A ‘parceria’ com o PMDB levou a ‘Dilma Bolada’ a romper a amizade. O publicitário Jeferson Monteiro, idealizador do perfil Dilma Bolada, escreveu na sua conta: “Para ela (Dilma) só importa o apoio do PMDB e de parte do empresariado para que ela se mantenha lá onde está. Trocou o Governo pelo cargo. Não é o Governo que eu e mais de 54 milhões de brasileiros elegemos. Você pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão.” A agência contratada pelo PT para que Jeferson administrasse o perfil nas redes sociais da Dilma Bolada decidiu não renovar o contrato. Mais um apoio perdido.

Enquanto isso, a popularidade de Dilma está muito baixa. Pesquisa da CNI/Ibope mostrou que apenas 10% da população apoia seu início de mandato. Daqui três meses faremos o balanço do primeiro ano. Dilma, assim como nós, quer que chegue logo dezembro e ela possa descansar um pouquinho. E, para ela, a alta do dólar nem importa, ela sempre passa o réveillon na Bahia mesmo.

Fotos: Shutterstock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Naiara Beltrão

Naiara Beltrão

Em Suma

close