Por um carnaval com mais respeito a nós

Por um carnaval com mais respeito a nós

Meninas, o carnaval está prestes a começar e com certeza muita gente já está em clima de folia! Carnaval é uma delícia, é tempo de festa, de descontração e alegria, é uma pena que ainda exista tanta gente confundindo o significado dessa folia com abuso e falta de limites.

Para quem ainda não viu, às vésperas do feriado a Skol lançou uma campanha pelas ruas de São Paulo, em que coloca a seguinte mensagem “Esqueci o não em casa”. A frase é curta, mas o impacto é imenso. A subjetividade da campanha dá brecha para uma série de sentidos negativos, entre eles, a falta de respeito que acontece com as mulheres no período da folia.

Quem pula carnaval na rua já pode ter passado pela situação desagradável de precisar desvencilhar-se de gente abusada, que acha normal “roubar” beijo na marra, agarrar pelo braço, puxar cabelo, enfim, passar por cima do direito de uma mulher dizer “não” a uma investida, tudo sob o véu da desculpa esfarrapada de que “no carnaval pode tudo”. A irresponsabilidade do material é ainda mais alarmante quando atentamos para o aumento dos casos de estupro no período do carnaval.

Indignadas com o conteúdo da campanha, a publicitária Pri Ferrari e a jornalista Mila Alves fizeram uma intervenção nas placas que encontraram, acrescentando “e trouxe o nunca” nos dizeres da campanha.

Pouco mais de sete horas depois da publicação, o post já tinha gerado mais de 4.800 compartilhamentos e muita revolta nas redes sociais.

Vale lembrar que a peça vem na contramão de uma notícia divulgada recentemente, a qual dá conta da condenação de um homem a sete anos de prisão, por ter forçado um beijo na boca durante o carnaval. A sentença foi dada no Tribunal de Justiça da Bahia. Ao passo que a notícia veio como um importante alerta para a população e como exemplo de que situações como essa não devem passar impunes, o material publicitário reforça o comportamento desviado durante a folia. Para quem ainda não sabe, é importante destacar que o beijo forçado caracteriza crime de estupro.

O Finanças Femininas entrou em contato com a assessoria da Skol, que deu o seguinte posicionamento:

“As peças em questão fazem parte da nossa campanha “Viva RedONdo”, que tem como mote aceitar os convites da vida e aproveitar os bons momentos. No entanto, fomos alertados nas redes sociais que parte de nossa comunicação poderia resultar em um entendimento dúbio. E, por respeito à diversidade de opiniões, substituiremos as frases atuais por mensagens mais claras e positivas, que transmitam o mesmo conceito.  Repudiamos todo e qualquer ato de violência seja física ou emocional e reiteramos o nosso compromisso com o consumo responsável. Agradecemos a todos os comentários.”

O recado então é o seguinte: curtam o carnaval, façam muita farra e divirtam-se bastante, mas lembrem-se sempre de não esquecer em casa o respeito com as pessoas e o limite nas atitudes que possam invadir o espaço do outro.

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close