Quanto preciso trabalhar para comprar um imóvel?

Quanto preciso trabalhar para comprar um imóvel?

Todas nós sabemos que comprar o primeiro imóvel é um tremendo desafio. E sempre que pensamos na possibilidade de morarmos sozinhas ou de sair do aluguel, as plaquinhas de “vende-se” em portões de prédios e casas nos seduzem um pouco mais, não é verdade? Todo mundo já deve ter passado pela situação de ver um prédio super charmosinho com uma placa dessas na janela e logo já se imaginou morando ali, arrumando os móveis novos, conhecendo melhor a vizinhança…

Essa vontade ganha ainda mais força quando o gasto com o aluguel é muito elevado e você sente que está “jogando dinheiro fora”. Partir disso para entrar em um financiamento sem ter se preparado devidamente para isso é um pulo. E esta é uma grande cilada, tendo em vista que você acabará pagando juros muito elevados em um financiamento longo demais.

Para quem não está muito familiarizada com isso, de forma geral funciona da seguinte forma: quanto maior o valor de entrada que você conseguir pagar, menores os juros das parcelas do financiamento, além da vantagem de quitar o imóvel mais rapidamente. Sendo assim, o melhor a fazer é montar um planejamento para acumular o máximo possível e dar de entrada.

Simulação

A melhor forma de dar o real valor ao nosso dinheiro é ter exata noção do quanto precisamos trabalhar para consegui-lo, pensar dessa maneira facilita na hora de reduzir os gastos e juntar uma grana. Para que você tenha clareza do quanto é preciso trabalhar para comprar um imóvel, vamos fazer uma simulação comparando o valor da hora trabalhada de uma pessoa com um salário hipotético de R$ 4 mil com o valor do preço médio do metro quadrado de São Paulo, que é de R$ 8.186/, com base na apuração feita pelo Fipe-Zap em julho deste ano.

Suponhamos que uma pessoa com este salário queira comprar um apartamento de um quarto, com 40 m². Considerando o valor médio do metro quadrado na capital, vamos supor que o imóvel custe exatamente R$ 327.440. 

Ansiosa para mudar-se logo, ela dá cerca de R$ 20 mil como entrada e resolve financiar o restante. Sendo assim, seriam R$ 307.440 financiados, sem considerar os juros. Se uma pessoa ganha R$ 4 mil para trabalhar de segunda a sexta-feira, 8 horas por dia, isso significa que a hora de trabalho dela vale R$ 25 (160 horas por mês, 4.000/160 = 25). Com este valor, significa que ela precisa trabalhar 327 horas (ou aproximadamente dois meses) para pagar por cada metro quadrado do apartamento, isso se ela pudesse usar 100% do salário para quitar as parcelas do imóvel. Com estes números, ela levaria aproximadamente 6 anos para quitar o imóvel.   

Tendo em vista que não é possível usar todo o salário para pagar as parcelas do financiamento, vamos considerar uma realidade em que ela pudesse usar um quarto da renda por mês. Sendo assim, esse prazo aumenta para aproximadamente 25 anos. Como dissemos acima, fizemos a simulação sem considerar os juros que incidem sobre o financiamento, portanto este ainda é um prazo otimista.

quanto custa ter um imóvel

Como reduzir o prazo para pagar o imóvel?

Não entre em pânico, é possível comprar o primeiro imóvel em menos tempo! Fizemos essa simulação com valores tão detalhados para que você veja na ponta do lápis como é perigoso entrar em um financiamento sem planejar-se o suficiente para isso. O ideal é conseguir disciplina para juntar um bom volume em dinheiro para dar de entrada. Então, antes de começar a financiar a compra precocemente, veja algumas dicas para fazer seu dinheiro crescer:

– Use os juros a seu favor. Em vez de pagar juros altos com parcelas de financiamento excessivamente prolongadas, separe um percentual fixo do seu salário para aplicar em algum investimento.

– Elimine suas dívidas. Reduza o uso do cartão de crédito e cheque especial. Procure cada vez mais pagar as suas compras a prazo ou use o cartão somente em situações emergências e que o valor da fatura mensal possa ser pago integralmente. Não caia da cilada do pagamento mínimo, isso te fará entrar em uma dívida com juros assombrosos. Se você tem hoje 1/4 da sua renda comprometida com dívidas, poderá usar este montante para economizar, a partir do momento em que ficar livre delas.

– Diminua os gastos fixos. É difícil economizar, mas cada centavo guardado vale a pena. Você não precisa deixar de viver para guardar dinheiro, mas faça o possível para não passar da conta com os gastos. Estabeleça metas de valores para suas contas fixas e variáveis, assim você mantem o controle e corta onde estiver gastando mais.

– Guarde seu FGTS para juntar ao montante que vai dar de entrada.

– Lembre-se também que se você tiver um valor alto para dar de entrada, seu poder de barganha aumenta. Antes de fechar o compra, negocie para tentar reduzir o valor proposto. Com a bolada que você terá em mãos, será muito mais fácil conseguir flexibilidade na negociação.

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close