“Salve Jorge” e o descontrole financeiro

“Salve Jorge” e o descontrole financeiro

A Helô da novela Salve Jorge, da rede Globo, vivida pela Giovanna Antonelli, é uma delegada que sempre que tem um problema corre para o shopping e compra muito. Assim que chega em casa percebe o estrago que fez, esconde as sacolas num armário e nega o problema que está passando. Pode parecer algo distante, mas quem nunca fez uma comprinha só para se sentir melhor, depois de um dia ruim?

Mas por que comprar pode trazer tanta felicidade? No ato da compra o corpo produz um hormônio que dá a sensação de satisfação. “Eu associo o ato de comprar com o orgasmo ou o uso de drogas”, explica Aderbal Vieira Junior, psiquiatra do ambulatório de dependência de comportamentos do Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes da UNIFESP. A endorfina é liberada, dando a sensação de prazer. Aí vem o problema: o arrependimento! Passado todas as sensações, a pessoa volta pra realidade e percebe que comprou por impulso. Já não tem mais jeito.

No Brasil, com a facilidade de crédito e de parcelar as compras, esse tipo de situação é super comum. Não é a toa que o número de brasileiros inadimplentes aumentou 15% em 2012. Normalmente o compulsivo por compras tenta resolver seus problemas emocionais como a tristeza, ansiedade e angústia no caixa. “Comprar em excesso pode ser natural para a pessoa, mas, normalmente, ela só vai perceber (o exagero) quando estiver passando quando ultrapassar os limites”, diz Aderbal.

Comprar mais do que pode e ficar sem fôlego no mês causam problemas financeiros e também de relações familiares e com amigos. O importante é não desistir e começar a enfrentar o problema. “Para sair desse problema é necessário procurar ajuda, seja numa terapia ou até mesmo conversando, lendo e buscando ficar mais controlado, sabendo quem você é”, diz o especialista.

O primeiro passo para lidar com o descontrole é tentar renegociar todas as suas dívidas e parar de comprar no ato! Se preciso, quebre todos os cartões de crédito e só utilize dinheiro vivo. Dessa maneira você gasta somente o que pode e o que tem na conta. Além disso, é importante que você crie consciência do que gastou. Por isso, a partir do momento que você quiser organizar a sua vida financeira anote todos os seus gastos. Será surpreendente o resultado…

Pedir ajuda para alguém de confiança é o segundo degrau para você subir. “A pessoa nega isso até o último momento. É comum que depois que a pessoa compre, saia distribuindo presentes. Assim consegue mais espaço e arruma desculpas para comprar ainda mais”. Porém a ajuda só será válida se a outra pessoa for organizada e controlar os seus gastos. Permita!

É importante manter a calma na hora de comprar. “Vivemos numa cultura que ensina que é legal comprar e que você só é poderoso se tiver mais. É difícil manter a cabeça no lugar na hora de evitar o consumo desnecessário”, diz Aderbal. Quando estiver numa loja, pense se o que está comprando é de extrema necessidade, em como sua vida ficará sem aquilo e quais são os objetivos úteis com a peça. Assim fica fácil perceber quando os gastos serão supérfluos e você vai evitar a frustração.

Evite fazer contas mentais. Coloque no papel tudo o que pretende comprar, assim você pode analisar o quanto está gastando e evita se perder nos cálculos. Só gaste quando tiver o dinheiro na mão, não faça planos com a esperança de receber uma quantia. Não faça compras estimando o valor que vai receber com o retroativo do imposto de renda. Você pode receber menos e até demorar o pagamento.

Você exagera nas compras ou é controlada com os seus impulsos? Conte pra gente nos comentários!

Foto: Reprodução.

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

carolinaruhman

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close