Sua vida depois do bebê

16.08.2013

-

Por Governess Consultoria Familiar

Sua vida depois do bebê

Antoniele Fagundes* 

Com a chegada do primeiro filho não é novidade dizer que a vida da família e, principalmente da mulher, muda consideravelmente. Para aquelas que trabalham fora de casa, a mudança é ainda maior. Afinal, em geral mulheres que trabalham fora e que ainda não tiveram filhos, fazem suas refeições em restaurantes e passam quase todo o dia fora de casa. Já depois dos filhos – pelo menos nos primeiros anos – a mulher precisa montar sua rotina considerando os horários e necessidades dos filhos, dentro e fora de casa. Isto, além de exaustivo, gera muitas culpas e dificuldades.

Voltar ou não ao trabalho é um assunto bastante discutido pelo casal durante a gestação e, mesmo para os pais que optam que a mãe volte ao trabalho, após o nascimento do filho ficam indecisos e a culpa começa a fazer parte das falas e pensamentos da família. O sentimento por deixar um filho em casa ou aos cuidados de terceiros é quase inevitável. Em geral, isso acontece mais com a mãe, afinal o filho que estava até poucos meses dentro do seu corpo, nasceu e agora ficará quase o dia todo longe. É inquestionável que mãe e filho precisam de um tempo juntos.

O ideal seria que a mãe pudesse gozar de um período de licença maternidade de aproximadamente 12 meses. Afinal, entre outras conquista nesta idade, a criança está fortalecida emocionalmente, porque já come quase todos os tipos de alimentos e anda ou está prestes a andar. Contudo, no Brasil, no melhor dos exemplos, a mãe goza seis meses de licença maternidade e mais um de férias.

Por isso, cada família precisa analisar quais são as melhores alternativas para conciliar a criação dos filhos e as carreiras. Até porque, abandonar a carreira para ficar somente aos cuidados do filho não me parece uma decisão assertiva. Principalmente para as mulheres que estudaram e se empenharam para conquistar seu espaço no mercado de trabalho.

Entre as alternativas mais comuns, vejo que algumas mulheres contratam babás, outras optam por berçários e algumas decidem deixar seus empregos para se dedicarem totalmente aos filhos. Existem também aquelas mulheres que decidem abrir um negocio próprio na expectativa de ter mais flexibilidade de horários.  A decisão a princípio mostra-se bastante atraente.

Contudo, abrir um negócio é algo que necessita cautela e não deve ser analisado somente a partir da visão pessoal da necessidade do mercado. Pois, noto que as famílias que montam um negocio próprio após o nascimento dos filhos, fazem após constatar algo que aconteceu em seus exemplos pessoais na vida de casal sem filhos e depois com filhos. Como por exemplo montar um loja de roupas para grávidas, ou montar uma pequena escolinha de educação infantil.

Após decidido o que será melhor para a família, os pais precisam passar segurança para o filho frente a decisão. Uma vez que a mãe volte ao emprego e fique todo o dia longe do filho, é fato que o filho sentirá a ausência. Contudo, com a segurança na decisão dos pais, aos poucos a criança irá se adaptar à sua realidade e poderá crescer em harmonia e feliz!

Um beijo para vocês,
Antoniele Fagundes

*Antoniele Fagundes estudou filosofia, psicologia e psicanálise. Atua como Consultora Familiar orientando familias em todas as questoes domésticas e familiares. Fale com ela através do e-mail antoniele@governess.com.br.

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Governess Consultoria Familiar

Governess Consultoria Familiar

Organize-se

close