Última votação do ajuste fiscal não resolve problema do governo

Última votação do ajuste fiscal não resolve problema do governo

*Naiara Bertão

Bom dia, pessoal.

Estamos no fim de agosto e frio foi o que menos senti neste inverno em São Paulo. E além do sol quente, a umidade desértica acaba com qualquer bem-estar físico. Como um alento, no fim da semana passada, quinta-feira especificamente, entre nuvens e mudanças bruscas de temperatura choveu. Enquanto a chuvinha fina e esparsa tentava amenizar o clima adverso em São Paulo, em Brasília, Dilma respirava (um pouco) mais aliviada. Na quarta-feira à noite foi votada e aprovada no Senado a última medida do ajuste fiscal proposta pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, no começo do ano.

Parte da medida aumenta a contribuição previdenciária de empresas de mais de 50 setores da economia e outra parte eleva as alíquotas de importação de produtos, tais como cosméticos e cervejas – má notícia para quem gosta de um bom happy hour. Na prática, isso aumenta a arrecadação do governo em um momento que as contas públicas já apresentam rombo de R$ 45 bilhões em 12 meses até junho. Olhando apenas o primeiro semestre deste ano o setor público (União, Estados, municípios, estatais) até conseguiu economizar R$ 16,22 bilhões. Porém, trata-se do menor superávit da série histórica do Banco Central.

Você também pode gostar: 
Crise econômica: a bagunça ainda pode piorar
Até que ponto a crise pode piorar?
Venda mais em tempos de crise

Segundo Levy, a votação da última MP completa ‘estratégia de equilíbrio’ da economia. Em janeiro, a equipe econômica havia estimado uma arrecadação extra de R$ 694 milhões apenas em 2015 a partir da alteração nas alíquotas de PIS/Cofins de importados.

testing_shutterstockFoto: Testing/Shutterstock

Continue a ler a matéria na próxima página!

A sensação é – por ora – de alívio. Foram tantos bate-bocas, brigas políticas em público e nos bastidores do Congresso, sem contar o desgaste da imagem do ministro da Fazenda e os rumores de que Levy pediria demissão. Houve quem apostasse que as votações das Medidas provisórias do ajuste fiscal não iriam até o fim. Quase nada saiu exatamente como o governo pensou. Houve muita discussão e o time de Dilma cedeu em vários pontos.

Vale lembrar, porém, que só esses ajustes não serão suficientes para recuperar a confiança na capacidade do governo de fechar as contas públicas no azul. A meta diminuiu de 1,2% (R$ 66,3 bilhões) para 0,15% do PIB (R$ 8,7 bilhões). Mesmo assim, ainda há quase meio ano pelo frente e quase tudo que poderia ser feito já foi. É claro, se saíssem as concessões de infraestrutura que, há anos, estão na pauta do governo, o caixa público agradeceria.

Mesmo assim, a chuva foi fina demais naquela quinta-feira para aliviar o clima ruim. Dilma precisará de uma estação interna de flores para conseguir respirar direito. Isso se o movimento pró-impeachment não crescer nos próximos meses.

 

*Naiara Bertão é jornalista formada pela ECA-USP, especializou-se em economia, negócios e finanças. Trabalhou em diversos veículos  de comunicação do país, como Infomoney, Brasil Econômico e VEJA. Escreve sobre os principais acontecimentos econômicos da semana. 

Fotos: Shutterstock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Naiara Beltrão

Naiara Beltrão

Em Suma

close