Um guia para a empreendedora de primeira viagem

Um guia para a empreendedora de primeira viagem

Quantas vezes já passou pela sua cabeça abrir seu próprio negócio? Seja pela vontade de trabalhar desenvolvendo aquilo que gosta, de construir algo somente seu ou mesmo encontrar uma alternativa para fazer dinheiro em tempos de crise – como estamos vivendo neste momento – ser uma empreendedora é uma vontade em comum entre muitas mulheres.

Ter uma boa ideia não é o problema. O grande desafio é conseguir tirar isso do papel e trazer para a realidade. Será que existe mercado para essa grande ideia? Quanto este sonho lhe custaria? Qual a reserva financeira necessária para que você possa se resguardar até o empreendimento trazer retorno financeiro? Essas são somente algumas questões que precisam ser levantadas para avaliar o potencial de um novo negócio. Se o seu desejo é saber como realizar o sonho de ter seu próprio negócio, conversamos com o professor da IBE-FGV, especialista em Economia e Empreendedorismo, Paulo Ferreira. O post a seguir é para quem deseja começar do zero e precisa de um norte para dar os primeiros passos.

Você também pode gostar: 
Mulher de Negócio: Do mundo corporativo ao empreendedorismo
Realidade no empreendedorismo feminino
Os detalhes que fazem a diferença no seu negócio

Análise de perfil

Coloque os pés no chão. Para quem não sabe, uma vida de empreendedora pode ser ainda mais dura que a de uma assalariada. Se você acha que entrando nessa vai trabalhar menos ou que tudo será um mar de rosas porque está fazendo uma atividade que gosta, trate de desconstruir essa impressão já de cara. É claro que ver seu próprio negócio nascendo é muito motivador, mas você precisa também estar preparada para os problemas, desde os mais simples até os mais complexos. “A pessoa precisa saber administrar problemas, senão acaba se perdendo. Tem que ter disciplina, saber que mesmo sem uma chefia ali cobrando, ela vai precisar abrir o empreendimento todos os dias, mesmo em meio a cansaço, a problemas pessoais, etc. Se não houver essa disciplina para fazer o empreendimento funcionar, o negócio não vai para frente”, destaca.

Faça algo alinhado com sua experiência

Sua trajetória profissional e seus conhecimentos precisam agregar em seu novo negócio. Não adianta querer abrir uma sorveteria artesanal se você nunca fez sorvete na vida. Veja de que forma você pode aplicar aquilo que domina em novo empreendimento, seja na elaboração de um produto ou na prestação de um serviço.

Colocando a ideia no papel

O especialista comenta que muita gente se assusta quando ouve o termo “plano de negócios”. Como alternativa para quem está começando, ele orienta uma solução mais prática e simples de executar. “Monte um projeto básico, que inclua os pontos principais: objetivos, custos, metas e o tempo que vai demorar para começar a ter retorno financeiro com o empreendimento”, pontua. Com isso definido, é possível pedir uma orientação ao Sebrae, por exemplo, para dar um suporte na elaboração de um plano de negócios.

Reserva de segurança

Como mencionado acima, não dá para imaginar que você vai começar a vender algo neste mês e de imediato ter o mesmo retorno que tinha em seu emprego formal. Você precisa de um tempo para aperfeiçoar a produção, divulgar seu trabalho, conquistar clientes, etc. Aos poucos você vai conseguir perceber quais serão seus clientes fixos e os eventuais. Até que seja possível ter este retorno, é importante ter um dinheiro reservado para bancar as despesas ou lidar com uma atividade paralela ao mesmo tempo. Por exemplo, conciliar o emprego formal e o empreendimento como atividade extra em um primeiro momento.

guia-para-empreendedora

Um passo de cada vez

Se você vai começar agora e quer avaliar se sua ideia vai dar certo e crescer, o ideal é que faça isso com o menor investimento possível no primeiro momento, recomenda o especialista. “Assim você diminui o impacto financeiro se algo der errado. Comece em casa, sozinha, para avaliar como serão os primeiros passos. À medida que o negócio for dando lucro, você traz funcionários, amplia a estrutura, etc”.

Adequação de demanda

Dizem que a propaganda boca a boca é a melhor que existe. Partindo da suposição de que a máxima seja verdadeira, comece divulgando seu empreendimento entre pessoas próximas. Parentes, amigos, vizinhos, colegas de faculdade, enfim, invista em fidelizar as pessoas que estão em seu entorno, para que elas divulguem seu trabalho com os outros. Conforme sua demanda for crescendo, você vai em busca de fornecedores maiores, é uma forma de garantir produção em maior escala.

Fazer uma sociedade?

Analise a possibilidade de ter uma sócia ou sócio. O especialista ressalta que há quem se oponha bastante à ideia, com o argumento de que pode trazer mais problemas, mas ele defende um outro pensamento. “Duas fontes de renda e de recursos de ideias são melhores do que uma”, comenta. Ele reforça, no entanto, que é preciso conhecer bem o perfil da pessoa e entender se estará alinhado com o seu, para saber se essa parceria será mais benéfica ou desastrosa.

Análise de concorrência e diferencial

Na hora da elaboração do seu projeto inicial, é preciso que você tenha o embasamento de uma observação bem feita sobre o seu mercado. Antes de botar a mão na massa, é preciso entender o que já existe de semelhante ao que você faz. Visite a concorrência, procure saber sobre o desempenho daquele negócio e as brechas ainda existentes, assim você pode identificar os diferenciais que pode oferecer a seus clientes. Pode ser um brinde, uma promoção, o atendimento diferenciado, enfim, tenha o olhar atento para perceber suas oportunidades.

Mente aberta

Conhecimento nunca é demais. Esteja sempre atenta a feiras, novidades, palestras, workshops, enfim, a tudo aquilo que puder agregar valor ao seu negócio. Empreendimentos necessitam de inovação e isso requer uma abertura constante para aprender sempre mais.

Crédito das fotos: Shutterstock

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close