Vale a pena fazer assinatura de carro?

Vale a pena fazer assinatura de carro?

Enquanto muitas pessoas sonham em comprar um carro para ter mais conveniência no dia a dia, outras sequer cogitam a ideia – seja por falta de dinheiro para bancar a compra, a preferência por outros meios de transporte e os custos para manutenção do veículo. Porém, isso não significa que não seja possível usufruir dos benefícios das quatro rodas. Além de poder alugar automóveis por curtos períodos, agora também é possível contratar um serviço de assinaturas de carro.

No Brasil, apenas a Porto Seguro oferece o serviço, batizado de Porto Seguro Carro Fácil. A proposta é baseada em um conceito em voga: cada vez mais a experiência se sobrepõe à posse. Isso significa que, para as novas gerações, possuir bens materiais não é mais prioridade, mas, sim, poder usufruir deles sem precisar arcar com burocracias. “Em vez do modo tradicional, de comprar o carro, assumir o bem e as despesas que um veículo gera, a pessoa pode escolher um veículo zero quilômetro e pagar mensalidades fixas conforme a opção de contrato escolhida”, explica Marcelo Rosal, Gerente do Porto Seguro Carro Fácil.

A empresa promete cuidar de toda a parte burocrática para o contratante, o que inclui documentação, seguro, manutenção e IPVA. Há opções de contrato com vigência de 12 ou 24 meses, incluindo diversos pacotes de quilometragem e, ao final do período, é possível renovar o serviço e escolher outro modelo zero quilômetro. Há diversos modelos a disposição, sendo que o valor inicial de mensalidade é de R$ 1.390 para veículos compactos. Por ora, o serviço está disponível apenas no estado de São Paulo e na cidade do Rio de Janeiro, mas há previsão de expansão para outras cidades no segundo semestre.
assinatura-carro-port-seguro-carro-facil

Em contrapartida às vantagens, é preciso lembrar que, por se tratar de um carro emprestado, a contratante precisará tomar uma série de cuidados. O primeiro diz respeito à quilometragem – se você ultrapassar o número estabelecido pelo pacote contratado, quem arca com o excedente é você. Também é preciso atentar-se em caso de sinistros e avarias. “No primeiro caso, haverá cobrança de franquia tanto para colisão quanto para roubo ou furto. Já em caso de avaria com valor abaixo da franquia, há somente a cobrança do valor referente ao conserto do veículo”, orienta Rosal.

Caso você contrate a assinatura, mas desista e queira romper o contrato antes de seu término, há multa contratual no valor de 50% das parcelas restantes. Ah, e as multas de trânsito ficarão por sua conta, ok? Porém, quem respeita as regras e utiliza bem o veículo ganha uma série de bônus. “Ao término do contrato, os carros entregues em bom estado de conservação, sem sinistro ou avarias, e com quilometragem abaixo do contratado, podem contar com benefícios que vão desde a franquia do seguro reduzida até a isenção da primeira mensalidade da renovação do plano”, aponta Rosal.

E aí, vale a pena?

Para responder a essa pergunta, você deverá considerar uma série de fatores, desde como você se locomove até sua atual condição financeira. Em primeiro lugar, calcule qual é a média de quilômetros que você percorreria no período de contrato. Por exemplo, a franquia básica do serviço é de 25.500 quilômetros em um ano. “Se a estimativa de uso for maior do que essa, haverá um custo adicional a ser computado. Já se a quilometragem estimada por ano for muito menor do que a franquia, talvez seja o caso de avaliar outras possibilidades, como o uso do Uber ou até mesmo a locação esporádica de carros”, ensina Marcio Barros, professor de Gestão Financeira da IBE-FGV.

Você também precisará considerar o quanto gastaria se fosse comprar aquele mesmo veículo e pagá-lo no período de vigência do contrato. De acordo com a simulação do professor, ao fazer a assinatura de um ano de um Hyundai HB20 1.0 a R$ 1.480 mensais*, a compra a vista é uma melhor opção com uma economia de aproximadamente R$ 700. “Já no caso de um contrato de 2 anos, a assinatura pode ser uma melhor opção”, afirma.

Além disso, é preciso pensar se você terá condições de adquirir o carro a vista – afinal, o financiamento pode pesar no bolso, favorecendo a escolha da assinatura – e considerar todos os custos que você teria no período do contrato. “Na alternativa de aquisição do veículo devem ser considerados os custos de compra, licenciamento, IPVA, seguro obrigatório, emplacamento, seguro de acidentes, manutenções preventivas e depreciação do veículo”, lista Barros.

Em suma, segundo o professor, a assinatura de carros pode ser uma boa para quem não pode bancar a compra de um carro a vista por conta das altas taxas de financiamento. “Também pode ser uma boa alternativa para aqueles que não querem ter dor de cabeça na hora da revenda do veículo ou que querem ter um sempre um carro novo na garagem”, finaliza.

*Valores pesquisados em janeiro de 2017.

Fotos: Shutterstock

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close