Você compra apenas pelo prazer de comprar?

Você compra apenas pelo prazer de comprar?

Em tempos de consumismo exagerado, tenho notado um sinal de alerta: quando o ato de comprar traz mais prazer do que o item comprado em si. É o que está por trás da “terapia de compras”: quem nunca quis afogar as mágoas no cartão de crédito?

Ao realizar uma compra, o nosso corpo libera dopamina, o hormônio do prazer. Quando você entra em uma loja, escolhe uma peça de roupa que gosta, pega o sapato e a bolsa combinando e divide tudo em seis vezes no cartão, a sensação que dá é de puro deleite. Quem não gosta de voltar para casa cheia de sacolas?

Entrevistei recentemente a economista comportamental Francesca Gino, professora de Harvard especializada em tomada de decisões. Ela, que esteve no Brasil em novembro para a última edição do KES – Knowledge Exchange Sessions, em São Paulo, avaliou o avanço do consumismo como parte da nossa busca por status.

“Ao longo do tempo, o mundo adotou o consumismo – a cultura do consumo. Compramos bens e serviços não para satisfazer nossas necessidades fundamentais, mas para obter status social. Comprar o produto pode acabar trazendo mais prazer para o consumidor do que o seu próprio uso”, destacou a acadêmica.

É o que tenho visto no dia a dia em e-mails e comentários de leitoras. Em um episódio do nosso novo podcast (você já ouviu?), uma leitora revelou que precisava comprar algo todo dia – o que quer que fosse. Uma roupa, um livro ou um batom: era preciso comprar algo novo todo dia. Eis um exemplo claro de que a compra em si vale mais do que o acesso ao produto.

vicio_compras

O nosso consumo é emocional. No meu TEDx, falei como uma bolsa é mais do que uma bolsa: é poder, é status, é aceitação. A pessoa compra a bolsa, mas o que ela busca com aquilo são outras coisas. No entanto, parece que o produto é mais embaixo: não importa o que, mas precisamos comprar.

Quem nunca saiu com uma sensação de vazio de um shopping center, sem nenhuma sacola ao menos? Nós gostamos de nos dar presentes – mas, pelo visto, a compra é mais importante do que o item em si.

Por isso, recomendo cautela com compras: você pode estar simplesmente buscando uma recompensa emocional, que bolsa ou celular novos nenhum podem trazer. Se você se reconheceu neste texto, o melhor a fazer é parar para avaliar: o que você está realmente buscando? Somente com a resposta para esta pergunta é que você poderá reavaliar sua relação com o consumo.

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Fotos: Shutterstock.

 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

Dúvidas enviadas através desse formulário não serão respondidas individualmente por e-mail.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

carolinaruhman

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close