Vou casar e ainda não decidi o regime de bens. E agora?

Vou casar e ainda não decidi o regime de bens. E agora?

Você está de casamento marcado, os convites já estão sendo impressos, a lista de presentes está feita, o seu vestido está quase pronto e só faltam os ajustes de decoração para tudo estar perfeito no grande dia. Você já decidiu tudo, escolheu as músicas e não para de sonhar com o seu grande dia. Mas você já definiu em que regime de bens irá se casar?

Na hora de entrar com o pedido de casamento no cartório civil do seu bairro, você e o seu noivo serão questionados sobre o regime do casamento e vocês precisam ter isso decidido de antemão, de preferência bem discutido entre vocês dois.

No Brasil, existem três principais opções:

Comunhão total de bens: todos os bens, passados e futuros, pertecem igualmente a marido e mulher.

Comunhão parcial de bens: apenas os bens que forem adquiridos após o casamento pertencem igualmente ao casal – tudo o que veio antes do casamento é de propriedade individual de quem os adquiriu, inclusive heranças.

Separação total de bens: não há compartilhamento de bens passados ou futuros e cada um é o titular único dos bens no seu nome. Neste caso, vocês precisam fazer um Pacto Antenupcial antes de ir ao cartório.

É claro que ninguém gosta de discutir este tipo de assunto logo antes do casamento, pois queremos acreditar no felizes para sempre. No entanto, é super importante ter isso bem claro e discutido entre o casal, para evitar complicações futuras.

Hoje em dia, é raro o casamento com comunhão total de bens. As alternativas mais comuns são a comunhão parcial ou a separação total. Isto porque as duas opções dão mais segurança para cada um dos noivos. Você sabia que se estiver casada com comunhão de bens e o seu marido contrair dívidas, elas são suas também? Então não estamos falando apenas de bens, mas da ausência deles também!

Não existe uma recomendação única, pois cada caso é diferente. Se um tiver mais bens do que o outro, é normal um casamento com separação total de bens, onde o patrimônio da família do noivo ou da noiva é preservado. Isso não tem nada a ver com a maneira como o casal toca a sua vida financeira – o importante é ter um acordo acertado de como funcionarão as coisas caso o casamento não funcione.

O principal é uma boa conversa com o seu noivo, para ter tudo bem claro. O assunto é delicado, mas não adianta ter medo. Se vocês não conversaram ainda sobre isto, aproveite a oportunidade para trazer o assunto. Na hora de casar, não adianta só falar de flores, decoração e lua de mel: vocês precisam conversar sobre como irão estruturar a vida financeira de vocês. A decisão do regime de bens é um primeiro passo!

Você já conversou com o seu noivo sobre este assunto? Tem alguma dúvida que não ficou clara no texto? Conte nos comentários!

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

carolinaruhman

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close