A importância da presença de pessoas trans nas universidades

A importância da presença de pessoas trans nas universidades

Ano passado a transfeminista Maria Clara Araújo ficou conhecida pelo ainda inédito feito de conseguir uma vaga em uma Universidade Federal e ainda com o direito de usar seu nome social. Em 2016, o cenário é ainda mais positivo.
Nas redes sociais, pessoas trans e travestis têm compartilhado suas histórias e alegrias de também terem conquistado a oportunidade de cursar o ensino superior. Uma dessas histórias é de Amanda Palha, que passou em 1° lugar no curso de Serviço Social na UFPE.

trans-na-universidade Ana Flor, Amanda Palha e Maria Clara Araújo, estudantes da UFPE / Reprodução do Facebook.

Depois que falamos sobre os custos da transição e a dificuldade de ingressar no mercado de trabalho que esta minoria enfrenta, o debate continua e chega ao meio acadêmico. Confira o depoimento de Ana Flor Fernandes Rodrigues para o Finanças Femininas, que fará companhia a Maria Clara no curso de pedagogia da UFPE:

“Eu sempre gosto de começar falando de que nunca me vi numa universidade federal. Porém, logo em seguida, me questiono por qual motivo eu sempre falava isso. E mais à frente me vem a resposta: referência.

Se eu não me vejo, ou não vejo pessoas iguais naquele espaço, como poderei adentra-lo?! Essa reflexão sempre esteve presente para lembrar o formato estrutural, excludente e universal das federais.

Adentrar esse espaço é me colocar enquanto corpo e pessoa política. É saber que mesmo sempre existindo um boicote do Estado na vida de pessoas trans e travestis, eu pude criar mecanismos para dribla-lo e conseguir entrar no ambiente acadêmico.

Sempre faço questão de falar que moro no mesmo bairro onde a UFPE se encontra. Fui aprovada no curso de Pedagogia, estudarei no Centro de Educação, prédio que fica mais ou menos 10 minutos da minha casa. Mas, sempre ressalto que: a UFPE está no bairro da várzea, mas as pessoas que moram no bairro da várzea não estão na UFPE.

 

Acredito que eu deva ser a primeira pessoa da rua onde moro que consegue passar numa Federal. Logo, torna-se possível perceber o quão excludente é esse espaço. Além de travesti, preta, pobre e da periferia, moro no mesmo bairro onde está essa universidade e nunca a enxerguei como possibilidade. Como isso pode acontecer, sabe? Reflitamos.

Ana Flor (3)
Ana Flor. Foto: Arquivo pessoal 

Mas agora eu entrei, estou na universidade com novas e variadas óticas. Quero pintar de povo, e quero que além de negro esse povo seja travesti. Quero que essas pessoas consigam me ver enquanto possibilidade de empoderamento e resistência dentro daquele espaço que sempre fez questão de nos mostrar um “não-lugar”.

Eu quero ver senzala tocando fogo nos engenhos. Podendo ver, ouvir e ler travestis, negras, pobres e da periferia sendo donas das suas próprias narrativas. Contando suas próprias trajetórias. E para, além disso, deixar ciente: isso é só o começo. Sigamos!”

*Ana Flor Fernandes Rodrigues, travesti aprovada no curso de Pedagogia da UFPE.

Fotos: Arquivo Pessoal

Gostou do nosso conteúdo? Assine nossa newsletter e receba muito mais!

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Financas Femininas

Finanças Femininas

Sua independência financeira depende de você, com uma ajudinha nossa.

close