Inflação: veja o que ficou mais caro e mais barato em outubro

Inflação: veja o que ficou mais caro e mais barato em outubro

Se você sentiu que a conta de luz e o gás de botijão ficaram mais caros, não é impressão: esses itens foram alguns dos responsáveis por acelerarem a inflação oficial em outubro, que ficou em 0,42%, aponta o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em setembro, o resultado foi de 0,16%, representando um aumento de 0,26 ponto percentual (p.p.) de um mês para o outro.

O IPCA acumula alta de 2,21% no ano e, considerando os últimos 12 meses, a taxa fica em 2,7%. As informações foram divulgadas nesta sexta-feira (10) pelo IBGE. A seguir, veja o que ficou mais caro e mais barato em outubro.

O que ficou mais caro

O maior vilão da aceleração do IPCA foi o grupo Habitação – responsável por metade da variação do índice de inflação do mês, com variação de 1,33% e impacto de 0,21 p.p – devido aos aumentos na conta de luz e no gás de botijão.

inflacao-outubro-2017-ipca

A energia elétrica está, em média, 3,28% mais cara graças à bandeira vermelha patamar 2, que representa uma cobrança adicional de R$ 3,50 a cada 100 Kwh consumidos. Já o botijão de gás registrou variação de 4,49%, que aconteceu como reflexo dos reajustes promovidos pela Petrobrás. Por isso, é preciso economizar. Aqui você confere algumas dicas para poupar energia e enxugar a conta de luz.

Outros grupos também puxaram a inflação: Vestuário (alta de 0,71%), Transportes (0,49%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,52%), Despesas Pessoais (0,32%), Educação (0,06%) e Comunicação (0,40%).

O que ficou mais barato

Apenas dois grupos registraram queda: Alimentação e Bebidas (-0,05%) e Artigos de residência (-0,39%). O primeiro apresentou redução pelo sexto mês consecutivo, porém, bem menos intensa do que a registrada em setembro (-0,41%). Isso só aconteceu por causa dos alimentos para consumo em casa, que passaram de -0,74% em setembro para -0,17% em outubro. A alimentação fora de casa apresentou alta de 0,16%, por isso, vale a pena preparar marmita para economizar (veja aqui como).

Alimentos que ficaram mais baratos:

  • feijão-mulatinho (-18,41%);
  • alho (-7,69%);
  • feijão-carioca (-3,29%);
  • açúcar cristal (-3,05%);
  • leite longa vida (-2,99%);
  • arroz (-1,14%).

Alimentos que ficaram mais caros:

  • batata-inglesa (que passou de -8,06% em setembro para 25,65% em outubro);
  • tomate (de -11,01% em setembro para 4,88% em outubro).

Já no grupo Artigos de residência, a queda de 0,39% foi impulsionada, principalmente, pelos eletrodomésticos (-1,10%).

Fotos: Fotolia

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Ana Paula de Araujo

Ana Paula de Araujo

Repórter, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) anapaula@financasfemininas.com.br

close