Maílson da Nóbrega: Como cuidar do seu dinheiro com os juros tão baixos

Maílson da Nóbrega: Como cuidar do seu dinheiro com os juros tão baixos

Como cuidar do seu dinheiro quando as taxas de juros estão tão baixas e a inflação não diminui? O Finanças Femininas conversou com Maílson da Nóbrega, ex-ministro da Fazenda e sócio-diretor da Tendências Consultoria, para saber o que fazer neste cenário econômico tão complexo. “Muitas pessoas vão começar a perceber que seus investimentos terão renda menor do que a inflação, o que resulta em uma diminuição do patrimônio”, alerta.

Segundo ele, a maior parte dos investimentos em renda fixa neste momento está com rendimento próximo a zero em termos reais, o que significa que a inflação no nível que está “come” todos os rendimentos da sua aplicação. Tirando a inflação, a taxa de juros real está em torno de 2%. No entanto, a boa notícia é que esta situação não tem como durar, na avaliação de Maílson. “Dificilmente esse nível é sustentável. Uma taxa de juros real de 2% é muito baixa para mercados emergentes”, afirma.

O ex-ministro explica que o Banco Central cedeu às pressões da presidente da República, Dilma Roussef, e do Ministério da Fazenda para reduzir a taxa de juros. Mas ele acredita que assim que a economia brasileira retomar o seu fôlego e a crise internacional passar, o BC será obrigado a subir os juros novamente.

Em algum momento, tudo isso vai se reverter. Nós esperamos que a economia brasileira vai voltar a crescer e que os Estados Unidos vão se recuperar. O resumo da ópera é que a taxa de juros atual não é a taxa de equilíbrio da economia”, afirma. Maílson acredita que a taxa de juros, que está em 7,25% atualmente, deve subir para o nível de 14% a 15% a partir de 2014 e que a economia brasileira deve retomar o crescimento já no ano que vem, com uma expansão do PIB de 3,8%, contra 1,5% neste ano.

Mas como lidar com o cenário atual de juros baixos? “Vai depender do perfil de cada investidora e do apetite pelo risco”, avalia o ex-ministro. Tradicionalmente, quando o nível dos juros cai, os investidores passam a procurar investimentos em renda variável buscando uma maior rentabilidade. No entanto, com o potencial de maiores ganhos, vem um risco maior nos investimentos. “A mulher deve recorrer ao aconselhamento do seu banco”, recomenda Maílson.

“Hoje o Brasil tem uma sofisticada indústria de fundos de investimento, dos mais complexos, como as butiques de investimentos, até os mais simples, como os bancos de varejo. Todos os bancos têm equipes que lidam com modelos de gestão de riscos e buscam a melhor seleção de papeis”, acredita.

Uma recomendação do ex-ministro é que na hora em que você for avaliar um investimento em ações, é necessário levar em conta se você pode precisar do dinheiro no curto prazo. “Investimento em ações é algo de médio prazo. Se você precisar do dinheiro, pode ter que resgatar o investimento em um momento de baixa”, explica Maílson, o que pode acabar com os rendimentos da aplicação.

Quer mais uma dica? “Quem investe em ações tem que estar atualizado, precisa acompanhar o noticiário econômico. Não precisa ser um expert, mas tem que ler os cadernos de economia. Quem está melhor informado tem melhores condições de buscar aconselhamento”, enfatiza.

Se os termos econômicos dos jornais parecem grego para você, então aproveite para ler o nosso dicionário, que explica tudo tintim por tintim. Ficou alguma dúvida? Então deixe um comentário!

Foto: Ciete Silvério/A2 Comunicação.

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

carolinaruhman

Carol Sandler

Fundadora e CEO do site, coautora do livro “Finanças femininas – Como organizar suas contas, aprender a investir e realizar seus sonhos” (Saraiva, 2015). É também palestrante sobre finanças para mulheres e empreendedorismo feminino e palestrou no TEDxSP

close