O que fazer quando se está desempregada e com o nome sujo

O que fazer quando se está desempregada e com o nome sujo

Você está com dívidas e com o nome sujo. Para piorar a situação, ficou desempregada. O que fazer para sair deste momento delicado?

Segundo pesquisa nacional Perfil do Consumidor Inadimplente, feita pela Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), referente ao primeiro trimestre de 2016, 41% dos entrevistados não conseguiram pagar as contas em dia porque perderam o emprego. A redução da renda foi o segundo principal motivo a levar à inadimplência, com 18% de menções. Ainda segundo o levantamento, o desemprego contribuiu para a inadimplência especialmente no caso de famílias que recebem até três salários mínimos e entre três e dez salários mínimos.

Você também pode gostar:
6 dicas para organizar as finanças em caso de desemprego
Mantenha a motivação para ficar livre das dívidas

Brasileiro compromete 7 vezes sua renda mensal com dívidas atrasadas

Quem tem o nome sujo tem dificuldades para tomar crédito, seja para algo corriqueiro como uma compra no supermercado, ou para situações mais complexas, como financiamento de um carro ou imóvel.

Por mais preocupante que seja uma situação de desemprego associada ao nome sujo, se descabelar não vai ajudar. Será necessário disciplina e determinação para resolver o problema.

A situação de quem fica desempregada pode variar muito. Algumas pessoas, quando perdem o emprego, podem contar com uma reserva financeira criada justamente para casos emergenciais como demissão. Já em outros casos, a pessoa perde o emprego e não tem recursos para arcar com as despesas.

nome_sujo

Segundo Flávio Calife, economista da Boa Vista SCPC, quem está desempregada e com o nome sujo terá que tomar atitudes importantes, como reestruturar gastos, ver quais deles poderão ser eliminados ou reduzidos. Como exemplo de gastos que podem ser diminuídos, ele cita os referentes a entretenimento e refeições fora de casa.

Continue a ler a matéria na próxima página!

Outra providência essencial é tentar renegociar as dívidas. “A primeira coisa que o consumidor deve fazer é procurar o credor e tentar renegociar os pagamentos, tentar modificar prazos e juros, tentar diminuir o peso das dívidas”, disse o especialista. Geralmente, o próprio credor vai procurar algo melhor para facilitar o pagamento, pois ele também tem o interesse em receber.

Segundo Calife, não é necessário buscar intermediários para procurar o credor. O consumidor pode fazer seu cadastro no site da Boa Vista SCPC e através do próprio site procurar o credor.

Vale lembrar também que caso a negociação esteja complicada, é possível buscar o intermédio de um juizado especial. A intervenção judicial é indicada para os casos em que forem cobrados juros abusivos.

O economista alerta que os consumidores nunca devem confiar em nenhuma promessa de que ficarão com o nome limpo sem o pagamento das dívidas. De acordo com ele, uma promessa desse tipo é sinal de fraude.

Se você perdeu o emprego e está inadimplente, informe-se sobre planejamento financeiro. Pesquise sobre o assunto na internet e em livros. “Aproveite” o tempo livre extra para se informar a respeito. No próprio site da Boa Vista SCPC há orientações sobre como organizar as contas.

Depois que você tiver conseguido pagar as dívidas, o credor é obrigado a retirar seu nome do cadastro de pessoas inadimplentes em até cinco dias úteis, segundo o economista. A consumidora pode verificar, no site da Boa Vista e de outros órgãos de proteção ao crédito, se o nome está limpo. Se ainda estiver sujo, deve entrar em contato diretamente com o credor.

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter!

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

karinaalves

Karina Alves

Jornalista e editora de conteúdo do Finanças Femininas. Já trabalhou em jornais impressos, online, rádio e com produção. Tem fascínio pela junção entre economia e psicologia, procura explorar cada vez mais esse universo e busca usar esse aprendizado para ajudar as pessoas a levarem uma vida financeira mais saudável! Contato pelo karina@financasfemininas.com.br

close