Por que a igualdade de gênero pode salvar a economia?

Por que a igualdade de gênero pode salvar a economia?

Diversos estudos já mostraram como a igualdade de gênero ajudaria a economia mundial. Porém, você já parou para pensar no motivo? A resposta pode estar na maneira que a economia moderna foi construída: sem considerar as mulheres.

Para entender, precisamos voltar um pouco no tempo. Adam Smith é considerado por muitos como o pai da economia moderna – provavelmente você já ouviu falar sobre algumas de suas teorias, como a “mão invisível” do mercado. Para provar seus pensamentos, ele fez a seguinte pergunta: “Como você consegue seu jantar?”. Smith afirma que é o interesse pessoal do açougueiro – no caso, sua vontade de lucrar – que faz a carne chegar à sua mesa. No entanto, o pensador esqueceu de uma parte importante da equação: era sua mãe quem preparava o bife.

Este é o ponto de partida do livro “O Lado Invisível da Economia: Uma Visão Feminista”, da jornalista econômica sueca Katrine Marçal. Ela aponta que apenas o trabalho tradicionalmente executado por homens definiu a visão de mundo econômica. Não é por um acaso que o título original é “Who Cooked Adam Smith’s Dinner?” – em tradução livre, “Quem Cozinhou o Jantar do Adam Smith?”. O economista nunca se casou e viveu com a mãe a maior parte de sua vida, dependendo dela para lhe dar suporte e cuidado.

O trabalho invisível

Na época em que Smith desenvolvia sua obra, para que o açougueiro pudesse trabalhar, suas esposas, mães e irmãs cuidavam das crianças, limpavam a casa e cuidavam de todo trabalho que o mercado até hoje não considera como “atividade produtiva”. “É tudo o que ele [o homem] não faz, mas de que depende para poder fazer o que faz”, define em um trecho do livro.

igualdade-de-genero-o-lado-invisivel-da-economia-katrine-marcal

A economia como conhecemos hoje – e as teorias econômicas – foi baseada neste conceito do humano que guia suas ações pelo interesse próprio e egoísmo, usando a razão para maximizar seus lucros – o homo economicus, ou “homem econômico”. Ele é um modelo de comportamento e consciência que, em tese, existiria em todos nós.

Entretanto, ao desenhar este arquétipo, não se considerou o trabalho invisível das mulheres. Aliás, até hoje o trabalho não remunerado executado por mulheres no mundo inteiro não entra na conta quando especialistas desenham o cenário econômico, nem no cálculo do PIB.

“Se quisermos um retrato completo da economia, não podemos ignorar o que metade da população faz durante metade do tempo”, afirma a autora. Para que se tenha ideia, de acordo com o livro, dados da agência de estatísticas nacionais do Canadá apontam que o valor do trabalho não remunerado no país variava de 30,6% a 41,4% do PIB.

Será que o homo economicus seria diferente se as mulheres tivessem sido consideradas nessa equação? E será que isso teria levado a economia mundial a outro rumo? Para Katrina, esses fatores seriam decisivos até mesmo para diminuir a desigualdade social e de gênero, permitindo uma outra abordagem a problemas econômicos mundiais, como a crise de 2008.

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Ana Paula de Araujo

Ana Paula de Araujo

Repórter, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) anapaula@financasfemininas.com.br

close