Qual o seu perfil de consumidora?

Qual o seu perfil de consumidora?

* Maria Angela Nunes Assumpção

Começarei este artigo utilizando as definições do nosso tão conhecido dicionário “Aurélio” para os termos “consumo” e “consumidor”

“Consumo:

1-     Ato ou efeito de consumir; gasto.

2-     Econ. – Utilização de mercadorias e serviços para a satisfação das necessidades humanas”

“Consumidor:

1 – Adjetivo – que consome.

2 – Substantivo – Aquele ou aquilo que consome”

Portanto, de uma maneira ou de outra, queiramos ou não, todos nós somos consumidores e, como cada indivíduo é um ser particular, temos o nosso modo “pessoal” de como nos comportar como tal.

A proposta deste artigo é uma reflexão sobre o tema: O NOSSO PERFIL COMO CONSUMIDORES

Em algum momento você já parou para pensar sobre qual é o seu perfil como consumidora?  Já refletiu em como você lida com um aspecto tão relevante do seu dia a dia?  Como a forma como você decide o que, como, quanto e o por quê consumir tem influenciado a sua vida e de sua família?

Uma observação importante é que esta análise vale mesmo quando alguém paga pelo que você consome.Aqui cabe uma questão relevante: qual o risco que você, como consumidora, traz para a sua vida financeira?

perfil_consumo

É interessante, mas boa parte das pessoas relacionam risco fundamentalmente a investimento. Quando você tem algum recurso para investir, quase que imediatamente, alguém falará que você precisa conhecer o seu “Perfil como Investidora”, pois deverá alocar os seus recursos da forma adequada aos seus objetivos, horizonte de investimento e sua capacidade de assumir eventuais perdas. Será ressaltada a importância de você não assumir riscos inadequados ao seu perfil.

Realmente, analisar e entender o nosso Perfil de Investidora é fundamental para decidirmos os nossos investimentos, pois precisamos ter muito cuidado para não comprometermos as nossas reservas financeiras e o atendimento das nossas necessidades e objetivos presentes e futuros.

Tomando a liberdade de fazer um paralelo com o parágrafo anterior, pergunto: consumir de uma maneira muitas vezes impensada, inadequada, não planejada também não coloca em risco o atendimento das nossas necessidades e objetivos?

Do ponto de vista do Planejamento Financeiro, respondo que sim!

Partindo-se do pressuposto que recursos financeiros são finitos, consumir habitualmente de uma forma não planejada pode ter como conseqüência colocar em risco a nossa sustentabilidade financeira. Citando alguns desses riscos:

–  Para os que estão na fase de geração de renda do trabalho, pode-se perder momentos importantes de geração de capacidade de poupança (receita – despesas) e formação das reservas financeiras necessárias para atender adequadamente as nossas necessidades e objetivos no curto, médio e longo prazo;

–  Viver situações de estresse por consumir além da capacidade financeira e de geração de renda, abalando o patrimônio e/ou levando ao endividamento.

–  Utilizar o patrimônio constituído e/ou herdado de forma muitas vezes inadequada;

Portanto, como consumidor, nos diferentes momentos da vida, sempre vale refletir se:

(i)                estamos lidando com as nossas necessidades (tanto físicas como emocionais) ou com os nossos desejos;

(ii)              estamos agindo por impulso e

(iii)            podemos abrir mão ou mesmo postergar o consumo.

 

Na minha experiência como planejadora financeira tenho observado que muitas pessoas, realmente, não tem um conhecimento claro do “Homo Consumericus” que habita dentro delas.

Os apelos para o consumo são muitos: o marketing é implacável; o desejo de pertencer ao grupo com os quais nos identificamos é um grande motivador; tolerar a frustração de não consumir é muito difícil; a velocidade e o imediatismo atual é anestesiador. Além de tudo isso, para complicar, o crédito está disponível (cheque especial, rotativo do cartão de crédito, parcelamento etc) e o endividamento foi incorporado na vida de boa parte das pessoas.

Realmente, é muito difícil praticar o autocontrole, resistir e ser o tal “consumidor consciente”…

Nesse ambiente “adverso”, muitas vezes, a forma de agir como consumidor pode trazer graves consequências para a vida financeira do indivíduo e de suas famílias, afetando a saúde, o trabalho e as relações pessoais.

Portanto, reforço a proposta de trazer a reflexão sobre uma parte relevante para uma vida financeira saudável:

“A importância de pensar em como lidamos com as decisões sobre o consumo – o que e quem nos influencia.”

 

*Maria Angela Nunes Assumpção é Planejadora Financeira Pessoal, possui a Certificação CFP (Certified Financial Planner) concedida pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF). E-mail: angela@moneyplan.com.br.

As respostas refletem as opiniões do autor, e não do Finanças Femininas ou do IBCPF. O site e o IBCPF não se responsabilizam pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

IBCPF

IBCPF

Planejamento Financeiro

close