Quanto preciso ter para começar a diversificar os investimentos?

Quanto preciso ter para começar a diversificar os investimentos?

Vamos abrir essa matéria com uma boa notícia: não é preciso ter muito dinheiro para diversificar seus investimentos, ao contrário do que se imagina. Seja em períodos de dificuldade ou de bonança, é sempre bom considerar essa opção. “Um bom planejamento financeiro e um portfólio diversificado de investimentos são as melhores maneiras de se proteger das crises e atravessar momentos como o atual. Aliás, essa é a principal vantagem da diversificação: ela dilui riscos”, afirma Sinara Polycarpo, planejadora financeira CFP® certificada pelo Instituto Brasileiro de Certificação dos Profissionais Financeiros (IBCPF).

Leitura complementar

Investimento para iniciantes

Investimento para iniciantes

Ver mais

Segundo a profissional, antes de cogitar a possibilidade, é preciso ter uma reserva financeira que equivalha a, pelo menos, seis meses de seus gastos mensais. Assim, você não corre o risco de ficar na mão caso surja algum imprevisto, como desemprego. O mesmo vale caso você tenha algum gasto já previsto para os próximos 12 meses. Estes recursos devem permanecer em aplicações de baixo risco e maior liquidez, como CDB DI, fundos DI e Tesouro Selic. E nunca, nunca, retire dinheiro desse pé-de-meia para diversificar, pois ele deve estar disponível para qualquer emergência.

Reserva financeira garantida? Hora de pensar em diversificar seus investimentos!

Baú do Tesouro Nacional

Ele é uma das principais alternativas para ampliar sua carteira, já que é possível comprar títulos a partir de R$ 30. Existem três modalidades: a Selic (acompanha os juros de referência do mercado brasileiro), IPCA (cobre a inflação e adiciona à rentabilidade cerca de 6% de juros ao ano) e pré-fixada (onde a taxa de juros é definida na compra do papel, sem variações). Enquanto a primeira opção é boa para investimentos de curto prazo, a segunda é ideal para os de longo prazo, já que protege o dinheiro da inflação. “Já a terceira, também recomendada para longo prazo, deve ter apenas parte do dinheiro para você se garantir caso a taxa básica de juros caia”, completa Sinara.

Partir para outras aplicações de renda fixa

Para Anderson Luís Paiva, gerente de planejamento da corretora Easynvest, partir para títulos privados, como CDB, LCI e LCA, é um caminho natural depois de já ter desbravado o Tesouro Direto. Uma das vantagens deles é que, além de ter melhor rentabilidade, eles ainda são à prova de crise. “Se, por algum motivo, o banco emissor desses títulos venha a falir, eles contam com o FGC (Fundo Garantidor de Crédito), que garante até R$ 250 mil de indenização por banco e por CPF. Com isso, seu investimento estará seguro”, conta.

diversificar-investimentos

As corretoras têm acesso a bancos de médio porte que costumam oferecer rentabilidade maior que a do Tesouro e dos grandes bancos de varejo. Porém, esse passo só vale a pena quando já se tem um montante considerável. É comum que os bancos de médio porte aceitem como mínimo o aporte de R$ 5 mil, mas mesmo os que aceitam R$ 1 mil podem cobrar uma taxa que faz com que o investimento não valha a pena. Para Sinara, R$ 10 mil é um ótimo valor para aplicar em bancos médios. Por isso, é altamente indicado juntar uma graninha no Tesouro Direto e, quando tiver uma boa quantidade, partir para a renda fixa privada.

Depois deste passo, também vale procurar as debêntures – papeis emitidos por empresas privadas, em vez de bancos, que aceitam aplicações a partir de R$ 500. “Elas não possuem o FGC, mas oferecem mais rentabilidade justamente por conta do maior risco”, diz Paiva.

Aventurando-se na renda variável

Hoje em dia, com a Selic em 14,25% ao ano, partir para a renda variável só compensa se ela oferecer maior rentabilidade do que isso – ainda mais considerando que seu risco é maior. “Ou seja, partir para a renda variável é mais usual quando essa taxa de juros está em um patamar menor”, aconselha Paiva.

Para quem está apenas começando a desbravar essas terras, pode ser uma boa considerar os COEs (Certificado de Operações Estruturadas), que possibilitam o ganho de renda variável, mas com a segurança da renda fixa, já que você recebe o valor investido sem nenhum ônus, caso algo dê errado. Eles são oferecidos por bancos que emitem este certificado ou por corretoras.

Também é possível aplicar seu dinheiro nos ETFs (Exchange Traded Funds, ou Fundos de Índice). “Comprando apenas uma cota, você está adquirindo uma pequena parcela de uma cesta de ações, o que é melhor e ainda mais diversificado do que comprar a ação de uma única empresa”, garante Sinara. Porém, é preciso ficar de olho nas taxas mensais de custódia e de corretagem, que podem ser superiores às de fundos de investimentos com bons gestores. Embora elas permitam aplicações a partir de R$ 200, são muito mais vantajosas com valores maiores. A aplicação pode ser feita por intermédio de corretoras e alguns bancos.

Fotos: Shutterstock

Gostou do nosso conteúdo? Clique aqui e assine a nossa newsletter! 

Desabafa!

Se você tem alguma dúvida sobre sua vida financeira ou uma boa história sobre dinheiro para contar pra gente, mande através do formulário abaixo.

O conteúdo da sua mensagem poderá ser utilizada em nossas matérias. Caso você prefira não ter o seu nome identificado, é só selecionar a opção "Mensagem Anônima".

personNome

personSobrenome

Mensagem anônimainfoSim

local_post_officeEmail:

commentMensagem: (obrigatório)

Este conteúdo foi útil para você?

Ana Paula de Araujo

Repórter, produz o conteúdo multimídia do Finanças Femininas e é fã da Mulher Maravilha. Divide a vida de jornalista com a de musicista e tenta ajudar o máximo de pessoas nas duas profissões.
Fale comigo! :) anapaula@financasfemininas.com.br

close